Seculo

 

Volta aos trilhos


03/01/2018 às 17:36
Mal chegou ao cargo e a engenheira civil Lúcia Vilarinho, primeira mulher eleita presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES), se deparou com uma guerra de ações judiciais por parte do seu principal adversário, o engenheiro agrônomo Geraldo Ferreguetti. Com objetivo principal de recuperar alguns votos impugnados que ainda possam levá-lo ao cargo e, de quebra, atormentar a nova gestora do Crea, impedindo-a de, enfim, iniciar as ações de seu mandato. 
 
A insistência do candidato derrotado evidencia, por outro lado, um amargo e viscoso ressentimento, depois de ser considerado o favorito do pleito, graças ao apoio do antigo presidente do Conselho, Helder Carnielli. Cenário que ruiu no decorrer do processo, após fatos lamentáveis denunciados à Comissão Eleitoral da Confederação de Engenharia e Agronomia (Confea), que acabaram resultando  na impugnação de sua candidatura, mais de dois meses antes da votação. Ele só participou do processo mediante uma liminar obtida, à época, na Justiça Federal em Brasília. 
 
Com a candidatura do seu afilhado político sub judice, o que se esperava de Carnielli é que levasse adiante as eleições com equilíbrio e isenção. Ledo engano. Novas denúncias surgiram ao final do processo eleitoral, quando candidatos de oposição descobriram fraudes em urnas e manipulação de listas de eleitores que impediram mais de 600 associados de votar. A essa altura, já eram evidentes os desgastes à imagem do Crea no Espírito Santo.
 
Dias após a votação e com a necessária intervenção do Conselho Federal, Lúcia Vilarinho emergiu desse quadro eleitoral tumultuado com a proposta de "modernizar a gestão do Crea, compartilhando decisões com profissionais, entidades, empresas e instituições de ensino, além de implantar mecanismos objetivos de transparência", como ressaltou durante sua campanha. De fato, é urgente ultrapassar as barreiras que há anos vinham levando o Crea à estagnação, transformando-o muitas vezes num cabide de empregos e convertendo-o numa máquina eleitoral a serviço de outros interesses que não os de seus associados.
 
Como órgão fiscalizador, o Crea tem uma missão importante para o Estado, zelando pela proteção dos interesses da sociedade. Compete-lhe evitar ou prevenir prejuízos que possam ocorrer por causa de trabalhos de profissionais, habilitados ou não. 
 
A ação do Conselho pode ser tão efetiva quanto a que resultou na recente descoberta dos riscos que representam para a população a obsolescência das estruturas da Rodoviária de Vitória e pontes da Grande Vitória. O lado negativo tem a ver com o afrouxamento na fiscalização de obras que acabam resultando em danos, feridos ou mortos. É o caso, por exemplo, do desabamento da área de lazer do condomínio de luxo Grand Parc Residencial Resort, na Enseada do Suá, em Vitória, ocorrido em julho do ano passado.
 
O Crea-ES precisa o quanto antes superar a crise pós-eleitoral que o acomete, retornar aos trilhos, e cumprir com eficiência seu papel. Insistir nessa guerra é um tiro no próprio pé.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace