Seculo

 

Governo Hartung utilizou base de dados inapropriada para mostrar que economizou mais em três anos de mandato


04/01/2018 às 15:34
O economista Vinícius Pereira, do Departamento de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), contestou a forma utilizada pelo governo do Estado para mostrar uma economia de R$ 1,1 bilhão no período de 2014 a 2017, o que justificaria o dinheiro em caixa para o anúncio de investimentos para este ano.
“A metodologia mais objetiva para se chegar ao valor de reduções [no caso, economias] com gastos é observando quanto, em um exercício, as despesas ficaram abaixo do observado no exercício anterior”, informa o economista.
Além disso, pondera Vinícius Pereira, “muito deve ser questionado sobre o significado e a repercussão social dessas reduções de gastos públicos”. Afinal, afirma, “o sucateamento de mecanismos de ação pública podem resultar em um cenário social bastante perverso, a depender da forma e dos critérios adotados para realizar tais ‘economias”.
Vinícius Pereira fez um cálculo com base nos números da primeira linha da tabela apresentada pelo governo: 
“Assim, na primeira linha, teríamos uma ‘economia’ [redução dos gastos] real da ordem de R$ 119,9 milhões, ou seja, R$ 90,7 milhões de 2014 para 2015, R$ 31,5 milhões de 2015 para 2016, e de -2,3 milhões, pois houve um pequeno aumento dos gastos, de 2016 para 2017”.
Pela tabela elaborada pelo governo, os dados são: R$ 175,4 (2014), R$ 84,7 (2015),  R$ 53,2 ( 2016) e R$ 68,4 (2017), totalizando R$ 332,8 milhões, que representa uma diferença, para mais, de R$ 212,9 milhões, cerca de 36% do valor encontrado na fórmula mais objetiva e com os dados reais.
 
 
Para ele, a escolha de uma base fixa, 2014, para efeitos de comparação, uma vez que se refere ao período do mandato do governador, não é incorreto, apenas mais positivo do que de outra forma. 
No entanto, ele afirma que “a forma escolhida para apresentação dos dados, mais oportuna e conveniente para o ente público, apresenta uma base hipotética de 2014 e, supondo que os gastos continuassem naquele nível, as economias seriam no montante apresentado”.
E acrescenta: “ Não podemos dizer se é certo ou errado, pois, em termos de dados estatísticos, podemos fazer quase tudo que desejarmos, não é mesmo?”.
O economista esclarece que para uma apresentação de valores reais e esforços reais de redução de gastos, a forma escolhida, ainda que o valor fosse resultar em uma cifra menor, deveria ser a de base móvel, comparando com o exercício imediatamente anterior.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado