Seculo

 

Grupo de vereadores se organiza para tomar Câmara das mãos do prefeito


04/01/2018 às 18:19
Uma “rebelião” para retomar o controle das mãos do prefeito Luciano Rezende (PPS) está em andamento na Câmara de Vitória, oito meses antes da eleição, que deverá ocorrer em agosto deste ano.
 
Um grupo de cinco vereadores se organiza como forma de enfrentamento ao PPS, partido do prefeito, que detêm a maioria dos cargos comissionados, com poder excessivo na tomada de decisões. O partido ocupa a Presidência da Casa e também as presidências das comissões de  Justiça e de Finanças, além da liderança do prefeito.
 
Os vereadores Cléber Félix (PP), Luiz Paulo Amorim (PV), Natan Medeiros (PSB), Sandro  Parrini (PDT) e Dalton Neves (PTB) se movem no sentido de ampliar o grupo. Eles pretendem se levantar contra o atual líder do prefeito na Câmara, vereador Leonil (PPS), que abdicou da Presidência para favorecer a eleição do atual presidente, Vinícius Simões. 
 
A pretensão deles é contar ainda com o apoio dos vereadores Davi Esmael (PSB), da vice-líder do prefeito, Neuzinha de Oliveira (PSDB), Professor Roberto Martins (PTB) e Max da Mata (PDT). Com essas adesões, o grupo atinge oito membros, a maioria dos 11 vereadores da atual legislatura.   
 
Os vereadores afirmam que a “rebelião” não é contra o prefeito, mas para barrar a influência do PPS no legislativo municipal. Segundo eles, isso é necessário para a garantia da sobrevivência política dos componentes do grupo, cuja maioria está no primeiro mandato.  
 
Desde 2013, quando assumiu a prefeitura, o prefeito Luciano Rezende mantém total controle sobre a Câmara de Vereadores. O loteamento para seu partido é considerado prejudicial a projetos políticos de outras lideranças.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace