Seculo

 

Grupo de vereadores se organiza para tomar Câmara das mãos do prefeito


04/01/2018 às 18:19
Uma “rebelião” para retomar o controle das mãos do prefeito Luciano Rezende (PPS) está em andamento na Câmara de Vitória, oito meses antes da eleição, que deverá ocorrer em agosto deste ano.
 
Um grupo de cinco vereadores se organiza como forma de enfrentamento ao PPS, partido do prefeito, que detêm a maioria dos cargos comissionados, com poder excessivo na tomada de decisões. O partido ocupa a Presidência da Casa e também as presidências das comissões de  Justiça e de Finanças, além da liderança do prefeito.
 
Os vereadores Cléber Félix (PP), Luiz Paulo Amorim (PV), Natan Medeiros (PSB), Sandro  Parrini (PDT) e Dalton Neves (PTB) se movem no sentido de ampliar o grupo. Eles pretendem se levantar contra o atual líder do prefeito na Câmara, vereador Leonil (PPS), que abdicou da Presidência para favorecer a eleição do atual presidente, Vinícius Simões. 
 
A pretensão deles é contar ainda com o apoio dos vereadores Davi Esmael (PSB), da vice-líder do prefeito, Neuzinha de Oliveira (PSDB), Professor Roberto Martins (PTB) e Max da Mata (PDT). Com essas adesões, o grupo atinge oito membros, a maioria dos 11 vereadores da atual legislatura.   
 
Os vereadores afirmam que a “rebelião” não é contra o prefeito, mas para barrar a influência do PPS no legislativo municipal. Segundo eles, isso é necessário para a garantia da sobrevivência política dos componentes do grupo, cuja maioria está no primeiro mandato.  
 
Desde 2013, quando assumiu a prefeitura, o prefeito Luciano Rezende mantém total controle sobre a Câmara de Vereadores. O loteamento para seu partido é considerado prejudicial a projetos políticos de outras lideranças.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado