Seculo

 

Indiferença


05/01/2018 às 09:35
Uma greve de ônibus que há onze dias causa transtornos à população da Grande Vitória segue sem perspectivas de solução, com motoristas exigindo aumento de 5% e patrões oferecendo não mais que 1,83%. A Justiça do Trabalho cumpriu rigorosamente seu  papel, buscando - ainda que sem êxito - uma atitude conciliatória de ambas as partes e, frente ao impasse, impondo aos grevistas a obrigação de manter um percentual pelo menos razoável de circulação de ônibus nos horários de pico e fora deles.
 
E enquanto a população padece nos pontos de ônibus, sujeitando-se a um calor desumano durante o dia e vivenciando as inseguranças das noites pouco policiadas, refestelam-se em seus gabinetes refrigerados, ou em aprazível descanso remunerado pelo recesso parlamentar, aqueles que deveriam também participar das discussões sobre o grave problema: ou seja, os burocratas da Secretaria Estadual dos Transportes e Obras Públicas (Setop) e o cinco deputados que compõem importante comissão da Assembleia Legislativa, a de Infraestrutura, Desenvolvimento Urbano e Regional, Mobilidade Urbana e Logística.
 
Governo do Estado e Assembleia se ausentam não para evitar o desgaste talvez inevitável de suas imagens num debate que afeta os interesses de 17 milhões de pessoas transportadas mensalmente dentro dos sete municípios da área metropolitana da Grande Vitória.
 
Permanecendo insensíveis ao clamor da população mal atendida desde sempre pelo transporte coletivo, burocratas e deputados assumem atitude incompatível com o caráter eminentemente público e urgente de uma questão que por óbvias razões deveria ser objeto de suas preocupações. Em última análise, não têm o que dizer, porque nunca se esforçaram para dar melhores condições de transporte aos usuários. 
 
Greves ocasionais não são os únicos problemas. O transporte coletivo na área metropolitana tem outras facetas das quais o poder público mantém distância, para júbilo das empresas concessionárias desse serviço público, que não são advertidas nem instadas a cumprir seus contratos. Como todos sabem, linhas são remanejadas em prejuízo dos usuários, horários de ônibus não são cumpridos, e a superlotação em horários de picos causa extremo desconforto aos passageiros. 
 
Num ano eleitoral, a indiferença do governo do Estado e da Assembleia a essa greve que tem causado tanto transtornos, pode ter um custo alto. Ou, pelo menos, deveria. É o que veremos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Dependência total

Tendência é Colnago crescer cada vez mais, pois PH não tem outra saída. Se a oposição não souber contê-lo, vai perder o bonde

OPINIÃO
JR Mignone
Mais uma campanha
A campanha deste ano será diferente, menos enjoativa, menos abrangente nas mídias de rádio e TV, mas com muitas acusações e apelos ridículos
Roberto Junquilho
Nem tudo o que parece é!
Investigação a Ferraço, exoneração no Iema...casos podem dar dor de cabeça aos envolvidos em ano de eleição
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A moça no quadro
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Confira calendário dos ensaios técnicos para o carnaval

Cassiano Ricardo e o século XX