Seculo

 

Redes sociais e política


06/01/2018 às 10:44
Traçar perspectivas positivas, mesmo que incertas, é a forma utilizada historicamente pela classe política para animar a população, ainda mais em períodos de campanha eleitoral, como agora, a 10 meses da eleição que irá escolher novos dirigentes em níveis estaduais e federais.
 
O governador Paulo Hartung desde dezembro vem dando sinais claros de que já está em campanha aberta, embora os eleitores ainda não saibam quem concorrerá a quê.
 
Ao anunciar uma economia de mais de R$ 1 bilhão e valores idênticos em investimentos para 2018, o governador usa a velha estratégia e sai na frente, aproveitando a máquina pública que controla. Não importa a fórmula utilizada para alcançar a finalidade, pois, sob essa ótica, os fins justificam os meios.
 
Os cálculos oficiais apresentados, contestados por economistas e outros especialistas, mereceram, também, a crítica direta do deputado estadual Sérgio Majeski (PSDB), um dos poucos atentos aos descaminhos do governo.  De igual forma, o Sindipúblicos divulgou nota em seu site com o mesmo teor.
 
Em todos os casos, uma coisa fica clara: o governo busca a construção de uma imagem positiva perante a população, o que é plenamente justificável. 
 
No entanto, a massa eleitoral, desde algum tempo, dispõe de plataformas eficientes e essenciais para ampliar o nível de informação coletiva de forma positiva, a fim de barrar mensagens meramente eleitoreiras.   
 
Críticas como as do deputado Majeski e do Sindipúblicos, que não encontram ressonância na mídia corporativa, têm potentes canais de comunicação nas redes, que representam poderosos gargalos para sufocar os sofismas oficiais.
 
Não é à toa, no entanto, que paira no ar uma ameaça. A restrição do acesso à internet, que já está em andamento por conta de projetos de grupos em busca de maior lucratividade, que podem elitizar as redes, deixando seu uso apenas a um número cada vez menor de pessoas.
 
Caso isso ocorra, a democracia será extremamente prejudicada, principalmente as comunidades periféricas de menor poder aquisitivo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado