Seculo

 

Redes sociais e política


06/01/2018 às 10:44
Traçar perspectivas positivas, mesmo que incertas, é a forma utilizada historicamente pela classe política para animar a população, ainda mais em períodos de campanha eleitoral, como agora, a 10 meses da eleição que irá escolher novos dirigentes em níveis estaduais e federais.
 
O governador Paulo Hartung desde dezembro vem dando sinais claros de que já está em campanha aberta, embora os eleitores ainda não saibam quem concorrerá a quê.
 
Ao anunciar uma economia de mais de R$ 1 bilhão e valores idênticos em investimentos para 2018, o governador usa a velha estratégia e sai na frente, aproveitando a máquina pública que controla. Não importa a fórmula utilizada para alcançar a finalidade, pois, sob essa ótica, os fins justificam os meios.
 
Os cálculos oficiais apresentados, contestados por economistas e outros especialistas, mereceram, também, a crítica direta do deputado estadual Sérgio Majeski (PSDB), um dos poucos atentos aos descaminhos do governo.  De igual forma, o Sindipúblicos divulgou nota em seu site com o mesmo teor.
 
Em todos os casos, uma coisa fica clara: o governo busca a construção de uma imagem positiva perante a população, o que é plenamente justificável. 
 
No entanto, a massa eleitoral, desde algum tempo, dispõe de plataformas eficientes e essenciais para ampliar o nível de informação coletiva de forma positiva, a fim de barrar mensagens meramente eleitoreiras.   
 
Críticas como as do deputado Majeski e do Sindipúblicos, que não encontram ressonância na mídia corporativa, têm potentes canais de comunicação nas redes, que representam poderosos gargalos para sufocar os sofismas oficiais.
 
Não é à toa, no entanto, que paira no ar uma ameaça. A restrição do acesso à internet, que já está em andamento por conta de projetos de grupos em busca de maior lucratividade, que podem elitizar as redes, deixando seu uso apenas a um número cada vez menor de pessoas.
 
Caso isso ocorra, a democracia será extremamente prejudicada, principalmente as comunidades periféricas de menor poder aquisitivo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Dependência total

Tendência é Colnago crescer cada vez mais, pois PH não tem outra saída. Se a oposição não souber contê-lo, vai perder o bonde

OPINIÃO
JR Mignone
Mais uma campanha
A campanha deste ano será diferente, menos enjoativa, menos abrangente nas mídias de rádio e TV, mas com muitas acusações e apelos ridículos
Roberto Junquilho
Nem tudo o que parece é!
Investigação a Ferraço, exoneração no Iema...casos podem dar dor de cabeça aos envolvidos em ano de eleição
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A moça no quadro
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Confira calendário dos ensaios técnicos para o carnaval

Cassiano Ricardo e o século XX