Seculo

 

Redes sociais e política


06/01/2018 às 10:44
Traçar perspectivas positivas, mesmo que incertas, é a forma utilizada historicamente pela classe política para animar a população, ainda mais em períodos de campanha eleitoral, como agora, a 10 meses da eleição que irá escolher novos dirigentes em níveis estaduais e federais.
 
O governador Paulo Hartung desde dezembro vem dando sinais claros de que já está em campanha aberta, embora os eleitores ainda não saibam quem concorrerá a quê.
 
Ao anunciar uma economia de mais de R$ 1 bilhão e valores idênticos em investimentos para 2018, o governador usa a velha estratégia e sai na frente, aproveitando a máquina pública que controla. Não importa a fórmula utilizada para alcançar a finalidade, pois, sob essa ótica, os fins justificam os meios.
 
Os cálculos oficiais apresentados, contestados por economistas e outros especialistas, mereceram, também, a crítica direta do deputado estadual Sérgio Majeski (PSDB), um dos poucos atentos aos descaminhos do governo.  De igual forma, o Sindipúblicos divulgou nota em seu site com o mesmo teor.
 
Em todos os casos, uma coisa fica clara: o governo busca a construção de uma imagem positiva perante a população, o que é plenamente justificável. 
 
No entanto, a massa eleitoral, desde algum tempo, dispõe de plataformas eficientes e essenciais para ampliar o nível de informação coletiva de forma positiva, a fim de barrar mensagens meramente eleitoreiras.   
 
Críticas como as do deputado Majeski e do Sindipúblicos, que não encontram ressonância na mídia corporativa, têm potentes canais de comunicação nas redes, que representam poderosos gargalos para sufocar os sofismas oficiais.
 
Não é à toa, no entanto, que paira no ar uma ameaça. A restrição do acesso à internet, que já está em andamento por conta de projetos de grupos em busca de maior lucratividade, que podem elitizar as redes, deixando seu uso apenas a um número cada vez menor de pessoas.
 
Caso isso ocorra, a democracia será extremamente prejudicada, principalmente as comunidades periféricas de menor poder aquisitivo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace