Seculo

 

Hartung é recebido com protesto em Itaúnas


08/01/2018 às 13:57
O governador Paulo Hartung recebeu, nesse domingo (7), um manifesto produzido por diversas entidades da Vila de Itaúnas e arredores, em Conceição da Barra (norte do Estado), contra a construção de novas barragens na Bacia do Rio Itaúnas, anunciadas de forma autoritária pelo governo estadual, e a ausência de medidas de recuperação dos sistemas naturais de produção de água da Bacia.

Assim que desceu do helicóptero, para a visita informal e um almoço no balneário pesqueiro e turístico, Paulo Hartung foi recepcionado por representantes da comunidade que manifestaram o desagrado e a preocupação dos moradores em relação à política que apontam como antidemocrática e ambientalmente equivocada da Secretaria Estadual de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) e da Agência Estadual de Recursos Hidricos (Agerh).

Assinam o Manifesto a Associação dos Pescadores de Itaúnas (Aspi), a Associação dos Agricultores e Agricultoras Quilombolas do Angelim I (Acqua), a Associação Empresarial e Turística de Itaúnas (Aeti), a Associação Itaúnas de Agricultura Familiar, a Comunidade São Sebastião, os Mestres do Ticumbi de Conceição da Barra e a Sociedade Amigos Por Itaúnas (Sapi).

No texto, as entidades enfatizam a importância da Vila de Itaúnas, como “um patrimônio histórico, cultural e natural do Espirito Santo, onde residem comunidades tradicionais de pescadores, quilombolas e agricultores familiares“, e que “atrai anualmente milhares de turistas”.

A comunidade também destaca a crise hídrica sem dimensões porque passa a Bacia Hidrográfica do Rio Itaúnas, situação comprovada pelo diagnóstico elaborado pela Agerh em função da elaboração do Plano da Bacia do Itaúnas.

“Esses estudos indicam a baixa disponibilidade hídrica superficial na bacia e alta demanda de irrigação para o agronegócio. Isso coloca em risco a sobrevivência de todas as comunidades ribeirinhas, assentamentos agrícolas, comunidades quilombolas, pescadores, marisqueiras e o setor do turismo e ecoturismo. Compromete a conservação dos recursos naturais e afeta diretamente cinco Unidades de Conservação localizadas nesta bacia”, alertam.

A partir dessa constatação, os manifestantes afirmam repudiar a instalação de barragens “sem que antes sejam adotadas as medidas necessárias à recuperação dos rios e afluentes que abastecem a população”, pois “sabemos todos que se não tivermos nascentes protegidas e recuperadas e matas ciliares nas margens dos córregos e rios, não teremos a produção de água necessária para manter a vitalidade e funcionamento da nossa bacia hidrográfica”.

Por fim, as entidades elencam uma lista com seis exigências que garantam que a população são seja desfavorecida “por políticas públicas que atendem interesses de poucos e não da sociedade como um todo: consulta pública para as obras de grande impacto na Bacia, investimentos para recuperar nascentes e matas ciliares, controle e fiscalização dos usos da água e da ocupação do solo, fiscalização das 1.800 barragens mapeadas pelo diagnóstico da Agerh, licenciamento ambiental para as obras na bacia e consulta às unidades de conservação da região, e monitoramento da qualidade da água e controle da emissão de poluentes.

Por fim, os moradores e empreendedores locais, autores do documento, exigem respeito, “como cidadãos capixabas e do planeta Terra, como detentores do Direito Universal de Acesso à Água, um bem público igualitário, de uso comum e de todos”.

Irregularidades

No último dia quatro de janeiro, o governo estadual anunciou os lançamento dos editais de construção da barragem de Braço do Rio, em Conceição da Barra, e de Samambaia, em Pedro Canário, e de elaboração do projeto de uma outra barragem no Rio Itaúnas, também em Pedro Canário. Todos sem qualquer consulta pública, sem sequer apresentação para discussão no Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Itaúnas, e sem o conhecimento prévio e anuência das cinco unidades de conservação afetadas, o que viola a legislação em vigor.

Surpresos com a medida, os gestores das UCs anunciaram oficiar o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), responsável pelo licenciamento, sobre os motivos da falta de cumprimento da lei, e solicitar apoio do Ministério Público Estadual. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária