Seculo

 

A maquiagem da gastança


08/01/2018 às 18:22
Ano eleitoral é tempo de gastar, sabem disso os políticos. Por isso, não é sem motivo que o governador Paulo Hartung ordenou aos secretários e diretores de órgãos e empresas públicas e aplicarem, de imediato, os recursos economizados nos últimos três anos, que alcançam a cifra de R$ 1 bilhão.
 
As ordens de serviço circulam em todas as áreas. Elas funcionam como precioso combustível para levar o governador a recantos onde a oposição imperava. Mas agora ele é quem dá as cartas e, com a grana, pode refrear todo contraditório ao seu governo.
 
Economizou, como ele mesmo diz, externando a lógica da austeridade, cruel para a maioria, agora jogada de lado, porque é hora de gastança. No entanto, no caminho por ele trilhado, há muitas vítimas deixadas à margem.
 
A principal delas é a classe dos servidores públicos, em especial a dos professores, que carregam no peito a mágoa da promessa de campanha não cumprida: o reconhecimento não veio, nem virá tão cedo, é que afirmam os mestres, cansados de ver que o dinheiro não dá para pagar as contas. 
 
A época de gastança, boa para quem recebe o serviço esperado, é ruim para quem vive os efeitos da recessão imposta aos setores que mais tocam à população: saúde, segurança e educação.
 
Como indutor de crescimento, o Estado não se sustenta no conceito do arrocho fiscal no modelo da Ana Paula Vescovi, a ex-secretária da Fazenda do início da gestão Hartung, agora elevada à secretária do Tesouro Nacional, no comando do arrocho em nível maior.
 
Ela mesmo anunciou, em 2016, ainda no Espírito Santo, que a insuficiência de recursos e o surgimento de epidemias ameaçam o Sistema Único de Saúde (SUS), durante prestação de contas na Assembleia Legislativa.  O secretário de Saúde, Ricardo Oliveira, adotou, na época, o mesmo tom. Não havia recursos, a ordem era economizar. 
 
Essa é a política: esvaziar o Estado e deixar o mercado jogar solto de forma a privatizar serviços essenciais, com preços proibitivos e inalcançáveis para a maioria. E daí, deve perguntar com ironia quem assim age, com a resposta de que o estado de bem-estar não gera os lucros esperados.  
 
Não importa, essa é a lógica e, nela, Hartung avança no controle político pleno. Nutre-se da inabilidade dos principais adversários, no momento, a senadora Rose de Freitas (PMDB) e o ex-governador Renato Casagrande (PSB), que, como dois pixotes, não souberam tirar proveito da maré baixa vivida pelo governador, agora coisa passada. 
 
Casagrande bem que tentou atrair Marcus Vicente (PP), o deputado federal campeão da liberação de emendas parlamentares, recebidas pelos bons serviços prestados a Michel Temer, o presidente. Reuniu-se com ele, conversou, mas o parlamentar preferiu os braços de quem está no poder, para não fugir à regra, é bom ressaltar. 
 
A política de austeridade, geradora de bons dividendos políticos para quem controla a máquina administrativa, na realidade, é historicamente equivocada, na medida em que privilegia setores abastados em detrimento de áreas que não geram lucratividade quando geridas pelo Estado. 
 
E assim o barco anda, como agora, vestido com a roupagem da abundância, que tenta esconder a sua ausência em setores essenciais para a maioria da população. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado