Seculo

 

Plenária do Confea decidirá sobre presidência do Crea-ES nesta terça-feira


08/01/2018 às 21:54
A judicialização das eleições do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES), iniciada ainda durante a campanha e aprofundada com uma guerra de liminares depois de anunciado o resultado da votação realizada em 15 de dezembro de 2017, chegou ao seu auge nesta segunda-feira (8). 
O presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Daniel Salati, anunciou que o novo presidente do Crea no Estado será escolhido na plenária a ser realizada nesta terça-feira (9), "de acordo com o entendimento que o Departamento Jurídico tiver do Regimento". Segundo ele, “poderá ser primeiro vice-presidente, o segundo vice ou algum diretor legalmente habilitado para a função". 
 
Apesar de Daniel não ter sido explícito sobre o assunto, na prática, a nova presidente do Crea, engenheira civil Lúcia Vilarinho, deverá ser afastada. O artigo 84 do Regimento Interno do Crea diz que, em caso de vacância do cargo de presidente, assume o primeiro vice-presidente. No caso, trata-se do engenheiro mecânico e de segurança do trabalho, Fred Rosalém.
 
Daniel disse ainda ter enviado a Lúcia e à Comissão Eleitoral Regional do Crea a decisão do juiz  federal de plantão em Brasília, Vallisney de Souza Oliveira,  tomada no último sábado (6), que anula a homologação de sua vitória pelo Confea. 
 
De acordo com Vallisney, a homologação  "é irregular e eivada de nulidade, enquanto não julgado o recurso do candidato [Geraldo Ferreguetti], ou seja, a homologação da eleição em favor de Lúcia Helena Vilarinho Ramos não pode ter efeitos para o Confea e seu presidente, por força de ordem judicial do juiz competente, de 29 de dezembro de 2017". 
 
De fato, nessa data, outro juiz federal plantonista, também em Brasília, Waldemar Cláudio de Carvalho, havia deferido pedido de liminar feito por Ferregueti, um dos  candidatos que disputaram a presidência do Crea, determinando a suspensão da posse de Lúcia. 
 
Por outro lado, um grupo de candidatos derrotados, considerando-se prejudicados por fraudes na votação e manipulação de listas de eleitores, também entrou com recurso na Comissão Eleitoral do Confea, pedindo a anulação do processo eleitoral. O grupo é formado pelos engenheiros formado por Jorge Luiz e Silva, Sebastião Silveira, Marcos Motta e Fred Rosalém.
 
Para obter a liminar, Ferregueti alegou  que tinha apresentado recurso à Comissão Eleitoral Federal do Confea contra a impugnação de uma urna em que havia recebido votos suficientes para vencer as eleições. Como seu recurso ainda não havia sido apreciado, estando assim em suspensa a contagem final da votação, Lúcia não poderia ser homologada.
 
Lúcia, porém, obteve em seguida uma liminar da Justiça Federal em Vitória favorável à sua posse, que aconteceu em 29 de dezembro. Ignorando a decisão anterior da Justiça Federal impedindo que fosse conduzida ao cargo, Lucia questionou com o juiz federal de plantão  a legalidade de uma portaria do então presidente do Crea, Helder Carnielli, que numa jogada para tornar mais confuso o resulto das eleições, nomeou interinamente como seu sucessor o vice-diretor Administrativo José Roberto da Silva Hernandes. 
 
Como o nome de  Lucia, a essa altura,  já havia sido confirmado pelo Confea, considerado instância máxima e competente no âmbito do sistema Crea,  ela, para todos os efeitos, julgava-se a nova presidente da entidade. Agora, em face de sua destituição do cargo, competirá ao presidente interino do Crea,  Fred Rosalém, convocar novas eleições.
 
"O que nós queremos é nada mais nada menos do que uma nova eleição limpa, justa, decente", disse Jorge Luiz, ao tomar conhecimento da decisão judicial. De acordo com ele, o Crea" tem que superar esse momento traumático em que predominaram fraudes e imoralidades no processo eleitoral".

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária