Seculo

 

Maia, PH e o 'Centrão'


10/01/2018 às 11:43
Um dos visitantes mais assíduos do Espírito Santo, o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), desembarca mais uma vez em Vitória para o seu quarto encontro com o governador Paulo Hartung em menos de seis meses, em busca de fortalecer sua candidatura à Presidência da República. 
 
O DEM trabalha para lançá-lo como candidato na próxima reunião do partido, dia 5 de fevereiro. E PH exerce um papel de destaque na aglutinação de forças não só no Espírito Santo, onde tem um controle invejável do partido, mas, também, como protagonista em nível nacional.
 
A leitura no mercado político ligado à ala mais conservadora é que Maia tem capacidade de “reunificar” a política nacional, por ser hoje um dos poucos com trânsito no governo e nos principais partidos da oposição. É o discurso do antigo "Centrão”, do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 
 
Não se pode negar que o presidente da Câmara Federal transita bem entre o PT, PCdoB e PDT, que o ajudaram a se eleger para o comando da Casa, além de manter boa relação com o Judiciário.
 
Rodrigo Maia se lança, mas, cauteloso, afirma que o partido tem outros nomes para a disputa, e pontua: o senador Ronaldo Caiado (GO), o prefeito de Salvador, ACM Neto, e o ministro da Educação, Mendonça Filho (PE), que o acompanha nesta quarta visita ao Estado.
 
Ao seu lado na disputa pela pré-candidatura, para ver quem chega primeiro, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD). Ambos brigam pela paternidade da reforma da Previdência, segundo eles, a salvação do Brasil, e que pode ser uma das fortes plataformas de campanha. 
 
A aproximação com PH é de longa data e deve ser vista não apenas como simples consultoria, mas sim como algo mais amplo. Quando Maia esteve no Estado em setembro de 2017, disse que o principal foco de suas conversas com o Paulo Hartung se fixa em organizar a política nacional a partir de uma posição de centro. 
 
Exatamente o tom das falas de PH, que transita de um lado para outro da política nacional em busca de um ancoradouro seguro e destacado. Ele tem externado o mesmo discurso de centro-esquerda, sofisma utilizado para nominar o conservadorismo político mais intenso.
 
Esse movimento substitui o “Centrão” do ex-deputado Eduardo Cunha, órfão de comando desde a prisão dele. Estão nesse bolo partidos grandes e médios, entre eles PP, PR, PSD, PRB e PTB. 
 
Nesse cenário, Maia se fortalece para afastar Mirelles e o governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), pontificando-se como o candidato mais representativo do grupo que está no comando, sem muitas restrições quanto à improbidade, da mesma forma que Hartung.
 
Seria uma forma de apresentar o velho com cara de novidade. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace