Seculo

 

Em tempo?


11/01/2018 às 21:48
A atual promessa do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segóvia, de concluir até o final deste ano as investigações de todos os inquéritos criminais que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF), joga luz, mais uma vez, no senador Ricardo Ferraço (PSDB), que tenta desde o ano passado se livrar do rótulo Lava Jato. Citado nas delações de executivos da Odebrecht pelo suposto recebimento de R$ 400 mil em doação na campanha de 2010, Ferraço recebeu um aceno positivo para sua defesa em setembro do ano passado, quando o ministro Edson Fachin, relator da operação no Supremo, pediu a exclusão do tucano da ação, por entender que o caso não tinha relação direta com a corrupção da Petrobras. O entendimento gerou um pedido de livre distribuição no STF, para prosseguimento da apuração, que foi comemorado pelo senador em vídeo publicado nas redes sociais. A decisão, segundo Ferraço, seria o "primeiro passo para confirmar sua absoluta inocência". Passado poucos meses, Segóvia aponta que existem, hoje, 140 inquéritos resultantes da Lava Jato e, desses, 73 foram redistribuídos. Para dar conta de tudo no prazo que ele anuncia, garante ter aumentado o número de delegados dedicados exclusivamente às investigações e dobrado a equipe de peritos. Mas o final de 2018 ainda pode ser tarde para a expectativa de Ferraço, que disputará a eleição de outubro, e quer apresentar aos capixabas, o quanto antes, o selo de arquivado. Terá esse tempo?
Imbatível
Mas bom proveito, mesmo, do arquivamento da denúncia da Lava Jato, como tirou o governador Paulo Hartung, difícil aparecer. Ressurgiu das cinzas em agosto de 2017, voltou com tudo à imprensa nacional e, há meses, é apresentado como liderança de um projeto que vai mudar o País. 
Sem chance
E ainda tem os demais políticos citados nas investigações que, tudo indica, não terão nem a chance de Ferraço, porque seus casos ainda não viraram inquérito. Estão nessa situação o ex-governador Renato Casagrande (PSB); o ex-prefeito Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB); o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS); o deputado estadual Rodrigo Coelho (PDT) e o ex-prefeito de Cachoeiro, Carlos Casteglione (PT). 
Segue...
Com exceção de Luiz Paulo, cujo pedido de abertura de investigação foi destinado à Justiça Federal do Estado, os demais tiveram as petições encaminhadas para o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF 2).
Suando a camisa
Por falar em Ferraço, ele incrementou sua agenda política da semana. Em Linhares, norte do Estado, as conversas não pararam só no prefeito Guerino Zanon (PMDB) e lideranças locais. Ferraço participou de pedal de 55 km, da sede do município até Pontal do Ipiranga.
Tabuleiro
Encontro de socialistas na Serra nesta quinta-feira (11). Casagrande visitou a prefeita interina da Serra, Márcia Lamas, e o filho dela, deputado estadual Bruno Lamas. O ex-governador, pelo que dizem, é candidato ao governo. Já Bruno - em princípio - à reeleição, com leves especulações à Câmara dos Deputados.
Novo point
Até o próximo sábado (13), o evento Jesus Vida Verão, em Vila Velha, é o ponto de encontro da classe política do Estado. Filão do eleitorado tão lucrativo como o evangélico, está para nascer. Todo mundo quer molhar o bico.
Tédio
Nos grupos de WhatsApp, não para de circular a foto do prefeito de Água Doce do Norte, Paulo Márcio (DEM), cochilando durante discurso de Hartung em solenidade realizada em Barra de São Francisco. O comentário é melhor do que a imagem: "tão repetitivo, que nem os prefeitos aguentam mais".
Gordo
Os servidores do Ministério Público Estadual tiveram o auxílio-alimentação reajustado, mais uma vez. Agora, R$ 49 por dia útil, o que passa de R$ 1.000,00 por mês. O aumento passou a valer em novembro passado, mas só essa semana foi publicado no Diário Oficial. Dá pra ficar satisfeito, não dá?
Magro
Só para ter ideia, os servidores públicos do Estado penam para conseguir aumentar o auxílio que recebem há muitos anos, congelado pelo governo. Valor: R$ 220,00 por mês. Dá pra ficar insatisfeito, não dá?
Holofote
O prefeito Luciano Rezende (PPS), que também não perde um flash nas redes sociais, postou foto ao lado do senador Cristovam Buarque, seu correligionário, em Vitória. Ele passa férias na Capital, como comemora Luciano.
Nas redes
"No Palácio Anchieta, com o governador em exercício, César Colnago, onde tivemos uma audiência com a finalidade de agendar uma visita à sede do Sindicato da Polícia Civil do ES. Também conversamos em relação à conjuntura política nacional e estatual e agendamos algumas visitas aos municípios do interior do Estado". (Deputado estadual Gilsinho Lopes - PR - no Facebook).
PENSAMENTO:
“Sou responsável por aquilo que não fui”. Georges Bernanos

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Blindagem coletiva

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'