Seculo

 

Barbárie explícita


11/01/2018 às 23:13
A definição clássica do Estado de Direito estabelece como princípio civilizatório o limite ao poder do Estado mediante um conjunto de leis. Viver em sociedade significa, portanto, não só respeitar as leis como impedir que o Estado, com todo o poder que ostenta, através de suas forças de segurança, se torne um violador dos direitos fundamentais do cidadão. Por mais significativo que seja este marco regulatório entre cidadãos e Estado, a barbárie ainda campeia, à vista de todos.
 
Não causa espanto, portanto, o recente relatório da Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES), que registra a persistência ainda hoje de uma indesejável herança da ditadura militar a afrontar direitos básicos da cidadania: a tortura. 
 
Na verdade, tão ou mais grave é que as vítimas e seus respectivos nomes sejam de amplo conhecimento de autoridades, que se calaram sobre o assunto. Este, na verdade, é o fundo do poço do nosso combalido Estado de Direito, escancarado pelo relatório: as audiências de custódia, base da coleta de dados realizada pela DPES, geralmente contam com a presença de um juiz ou de um promotor.  
 
O relatório, por si só, é uma vitória sobre a indiferença de quem, no mínimo por dever de ofício, deveria repudiar e punir praticantes de tortura - no caso, 189 funcionários do Estado, contratados para fazer cumprir a lei e não desrespeitá-la. De fato, foi a primeira vez que se inventariou,  se documentou e se denunciou 112 relatos de tortura na Grande Vitória, ocorridos entre 23 de julho de 2015 e 10 de abril de 2016, e relatados  durante audiências de custódia acompanhadas pela Defensoria Pública.
 
O  “Relatório sobre Denúncias de Tortura: Análise de 112 Casos Catalogados em 257 dias nas Audiências de Custódia no Espírito Santo”, divulgado pela Coordenação de Direitos Humanos da DPES, evidencia um comportamento de agentes do Estado que, infelizmente, se estende muito além do Espírito Santo. A própria Organização das Nações Unidas (ONU), não faz muito tempo, alertou para o aumento "alarmante" de casos de tortura no país, sobretudo contra pessoas de baixa renda e/ou pertencentes às minorias. 
 
A defesa permanente dos direitos humanos deveria ser uma bandeira em todos os níveis da sociedade, mas o Estado - como um ente que, pela frouxidão moral e pela ação deletéria de seus agentes, ignora preceitos civilizatórios que deveriam regê-lo - faz vistas grossas.
 
Diante de tamanha gravidade dos casos, não mais escondidos debaixo do tapete, o que se exige é, no mínimo, respostas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Defensoria Pública apura responsabilidades em mortes de bebês na UTI do Hospital Infantil de Vila Velha