Seculo

 

Regulamentação do trabalho de policiais aposentados burla a lei de concursos, diz Sindipol


12/01/2018 às 15:01
Não atende às demandas da Polícia Civil capixaba o texto publicado nesta sexta-feira (12), no Diário Oficial, regulamentando a Lei Complementar nº 850, de 17/03/2017, que trata do retorno ao trabalho de policiais civis aposentados.

O entendimento é do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES), que afirma a intenção de insistir no diálogo com o governo estadual, para que faça os ajustes necessário. Caso contrário, haverá judicialização da questão.

“A lei, como está, atenta contra a regra constitucional do concurso público. É uma medida emergencial, que apoiamos, mas não pode burlar a lei do concurso público”, esclarece o presidente da entidade, Jorge Emílio Leal.

O sindicalista diz que, ao pagar R$ 2.500,00 para o aposentado, ao invés de R$ 5.000,00 para um novo concursado, o governo tende a fazer da exceção a regra. O Sindicato afirma que é preciso realizar o concurso público, sendo a contratação de policiais aposentados uma medida emergencial e paliativa.

O chefe de Polícia Civil do Estado, delegado Guilherme Daré, anunciou, em reunião realizada nessa quinta-feira (11) com o Sindipol/ES, que o governo fará o concurso público ainda neste ano. Porém, disse também que a regulamentação da LC 850/2017 atenderia às reivindicações da categoria, o que não aconteceu.  

São basicamente quatro os pontos de desagravo apontados pelo Sindipol. A jornada de 40 horas semanais, a falta de limitação do tempo do serviço voluntário e a não definição das atividades-fins, além de uma melhor remuneração.
 
"Acreditamos, enquanto organização sindical, que a carga horária é elevada para os aposentados. 30 horas semanais seria satisfatório. Além disso, a lei previa o trabalho 'voluntário' de dois anos, podendo ser prorrogado por iguais períodos sem limitação, o que vai na contramão do concurso público. Não concordamos com isso, por isso, estamos fiscalizando o andamento e ajudando na elaboração das diretrizes que regulamentam o retorno dos policiais aposentados”, explicou Jorge Emílio Leal.

O Sindipol/ES lembra que a defasagem do quadro operacional da Polícia Civil do Estado é de 60% e, no caso da Polícia Técnico Científica, supera 80%, o que sobrecarrega os policiais civis nas delegacias e prejudica o serviço prestado à população.

Desmantelamento

A categoria lançou, nessa segunda-feira (8), um “Manifesto Contra o Desmantelamento da Polícia Civil do ES”, demonstrando indignação contra a forma como a segurança pública está sendo tratada em nosso país, principalmente em nosso Estado, no atual governo".

Entre os dados elencados no Manifesto, destacam-se a defasagem do efetivo policial nos últimos 21 anos: a população hoje (4 milhões de habitantes) é 30% maior que em 1986 (3 milhões), porém, o número de policiais equivale a 57%, pois eram 3.840 e hoje são 2.200.

O pequeno efetivo ainda é submetido a salários infames, sem sequer reajuste de inflação há mais de três anos, e a uma infraestrutura decadente, com material de trabalho insuficiente, veículos velhos, controle excessivo de combustível, instalações físicas que oferecem risco, delegacias sendo fechadas e obras inacabadas há quatro anos.

A lei

A LC nº 850/2017, regulamentada pelo governador Paulo Hartung nesta sexta-feira (12), institui o Serviço Voluntário de Interesse Policial (SVIP), permitindo que os aposentados realizem tarefas de natureza eminentemente técnico-administrativa, no âmbito da segurança pública, compreendendo atendimento ao público, lavratura de boletins de ocorrência, preenchimento de formulários diversos, condução de veículos policiais automotores, proteção e escolta de agente público e outras atividades afins.

Segundo informações constante no Diário Oficial, a regulamentação divide as atividades que podem ser exercidas por delegados e demais policiais civis aposentados. O delegado, por exemplo, poderá emitir parecer técnico e despachos. Poderá ainda entrevistar preliminarmente testemunhas, vítimas e policiais, assim como poderão realizar atividades como controle de servidores terceirizados.

Eles também poderão exercer funções administrativas ligadas a chefia de polícia, corregedoria, academia de polícia e outras repartições, incluindo assessorias, departamentos, divisões e delegacias regionais.

Já os demais policiais, como investigadores, agentes e peritos, poderão exercer funções como vistoria de veículos, segurança e proteção patrimonial, registro de ocorrências, instrução de processos de emissão de carteira de identidade, preenchimento de formulários, tais como estatísticas, entre outros.

Os policiais interessados em exercer o Serviço Voluntário de Interesse Policial (SVIP) serão submetidos a processo de seleção específico, pela Academia da Polícia Civil (Acadepol).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio