Seculo

 

Sesa alerta para mudança nas faixas etárias de vacinação contra catapora e meningite


12/01/2018 às 20:20
Pais e responsáveis por crianças e adolescentes devem ficar atentos às mudanças do Calendário Nacional de Vacinação. A partir deste ano, crianças de 4 até 6 anos de idade (6 anos, 11 meses e 29 dias) podem tomar a segunda dose da vacina varicela (atenuada), que protege contra varicela, popularmente chamada catapora.
 
Já para a vacina meningocócica C conjugada, o Sistema Único de Saúde (SUS) ampliou a faixa etária de vacinação para 11 a 14 anos (14 anos, 11 meses e 29 dias).
 
As informações foram divulgadas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).  A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo, informa que as duas vacinas já estão disponíveis para esse público nas unidades de saúde de todo o Estado, e ressalta que é importante as crianças e os adolescentes serem imunizados, principalmente aqueles que estão na idade limite para receber as vacinas, ou seja, os que estão prestes a completar 7 anos e os que já vão fazer 15 anos.
 
A vacinação contra catapora na faixa etária de 4 até 6 anos visa corrigir possíveis falhas vacinais da primeira dose, que desde 2013 é oferecida pelo SUS para todas as crianças de 15 meses. Outro objetivo é aumentar a proteção das crianças, prevenindo a ocorrência de surtos da doença, especialmente em creches e escolas.
 
Uma única dose da vacina contra catapora tem eficácia de 76% a 85%. Com as duas doses, a proteção fica próxima de 100%. “Uma única dose reduz a gravidade da catapora, mas não impede em todos os casos que a criança apresente a doença, mesmo na forma mais branda. Com a segunda dose, a intenção é promover uma imunidade maior e garantir que a criança não tenha catapora”, esclareceu.
 
A Sesa informa que “outra novidade importante no Calendário Nacional de Vacinação em 2018 é a ampliação da oferta da vacina meningocócica C conjugada para a faixa etária de 11 a 14 anos (14 anos, 11 meses e 29 dias). No ano passado, a vacina passou a ser administrada em meninos e meninas de 12 e 13 anos de idade para reforçar a proteção recebida na infância, quando a criança é imunizada com doses aplicadas aos 3 meses, aos 5 meses e com 1 ano de idade. Agora, quem tem 11 e 14 anos também será beneficiado”.
 
HPV
 
Proteção também disponível nas unidades de saúde de todo o Estado ao longo do ano, a vacina contra HPV deve ser tomada no período adequado para que sua ação no organismo seja mais eficaz, reforça a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo. Em 2017, a vacina HPV, que já era ofertada para meninas de 9 a 14 anos de idade, passou a ser disponibilizada também para meninos de 11 a 14 anos, ampliando o público masculino infantojuvenil beneficiado.
 
Tanto para as meninas quanto para os meninos, a vacinação contra HPV segue o esquema de duas doses (0 e 6 meses), ou seja, a segunda dose é administrada seis meses após a primeira dose. A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações diz que a recomendação é que o esquema vacinal seja completado o mais rápido possível e que o intervalo entre uma dose e outra seja no máximo de 12 a 15 meses para garantir uma boa produção de anticorpos.
 
A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações destaca que, além de evitar que os meninos transmitam HPV para as meninas não vacinadas, pois é pelo contato com o homem que a mulher adquire o vírus, a vacina previne neles os cânceres de pênis, ânus, garganta e boca, além de verrugas genitais. Já nas meninas, o principal foco da vacinação é proteger contra o câncer de colo do útero, bem como contra os cânceres de vulva, vagina, ânus, boca, garganta e verrugas genitais.
 
Em 2017, o percentual de meninas vacinadas no Espírito Santo com a primeira dose da vacina HPV foi de 89,34% e com a segunda dose foi de 62,94%. Entre os meninos, a cobertura vacinal registrada foi de 30,51% na primeira dose e 6,09% na segunda dose. Considerando que a meta tanto para homens quanto para mulheres é uma cobertura vacinal de 80%, os números mostram que ainda é preciso avançar bastante na vacinação, principalmente do público masculino.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio