Seculo

 

Integração Campo-cidade e políticas de Agroecologia norteiam IV Encontro Nacional


21/01/2018 às 22:02
A cachaça crioula e o café do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) estão entre os destaque do catálogo de produtos, amparados legalmente e que têm alavancado a produção agroecológica do Espírito Santo.
As feiras, por sua vez, que no Estado experimentam uma expansão e enraizamento singular no território brasileiro, mostram a importância do contato direto entre o produtos e o consumidor e o poder dessa aproximação entre o campo e a cidade.
 
A construção da participação estadual no evento, a pleno curso, envolve as mais diversas organizações, coletivos e instituições afins, desde associações de produtores, passando por movimentos sociais, institutos de ensino e pesquisa e entidades de classe.
 
Nesse processo, almeja-se também avançar com o projeto de lei que cria uma Política Estadual de Agroecologia, cuja redação está em elaboração, e numa maior integração entre o norte e o sul do Espírito Santo, intensificando as trocas de experiências entre duas regiões com realidades tão distintas e tão complementares.
 
“Vamos unir essas estrelas numa constelação que guie o nosso povo no mar tempestuoso dessa conjuntura de golpe”, poetiza Douglas Fernandez, militante e técnico extensionista do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) no Estado, e um dos responsáveis pela organização da caravana capixaba e sua interlocução com os demais coletivos estaduais.
 
O momento é desafiador, acentua Douglas, devido às intensas lutas travadas no Estado, em função da crise hídrica e o consequente endividamento dos camponeses, além das mobilizações em nível nacional pela defesa dos direitos sociais e trabalhistas ameaçados pelo governo federal.
 
O não financiamento do Encontro Nacional por parte do poder público, este ano, é outro dificultador, que está obrigando as organizações a utilizarem recursos próprios e arrecadar parcerias para viabilizar o evento.
 
Douglas destaca que a Articulação Capixaba de Agroecologia (Aca) é composta majoritariamente por movimentos sociais, o que caracteriza a alta politização da Agroecologia capixaba. “Agroecologia não é só produzir livre de agrotóxicos, mas produzir sujeitos sociais coletivos”, pondera.
 
O evento
 
A Carta Convocatória do Encontro informa que o IV Ena deve reunir cerca de “duas mil pessoas de todos os estados do Brasil, sendo 70% de agricultores, familiares, camponeses, povos indígenas, comunidades quilombolas, pescadores, outros povos e comunidades tradicionais, assentados da reforma agrária e coletivos da agricultura urbana; 50% de mulheres e 30% de jovens diretamente envolvidas na construção da agroecologia em contraposição ao projeto dominante imposto por grupos do capital financeiro, industrial e agrário”.
 
O documento destaca o fato de Belo Horizonte contar com “experiências pioneiras de agricultura urbana, que dialogam com o direito à cidade. Há, ainda, iniciativas inovadoras de movimentos e coletivos que propõem a ocupação dos espaços públicos e o envolvimento das juventudes em ações culturais e de defesa de direitos”.
 
E enumera quatro objetivos do evento: apresentar, para amplos setores da sociedade, experiências do campo, das florestas, das águas e das cidades que mostram os múltiplos benefícios da agroecologia; manifestar posicionamento crítico e denunciar o desmonte das políticas públicas e violação dos direitos; estreitar laços e ampliar alianças do movimento agroecológico; e aprofundar o debate sobre os sentidos estratégico e político da comunicação e da cultura.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Prefeitura da Serra
‘Liberou geral’

Foi só o prefeito Audifax Barcelos ver ameaçada sua costura com o empresariado, que logo apareceu para ‘colocar a mão’ na Câmara da Serra

OPINIÃO
Editorial
Sem mérito
Governo Hartung explora gestão florestal para tentar esconder atuação pífia e direcionada na área
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Odessey and Oracle
''uma pérola do psicodelismo e do pop barroco britânico''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
Geraldo Hasse
Tchernóbil 32 anos
Por causa do acidente nuclear de 1986, a longevidade da Bielorrússia caiu abaixo de 60 anos
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Advogado se defende da acusação de injúria em ação aberta pelo prefeito de Vitória

'O PT não se preparou para a disputa majoritária no Estado'

Encontro Regional de Agroecologia será realizado neste fim de semana no Estado

Secretária de Educação de Vitória cancela prestação de contas na Câmara