Seculo

 

André Prando vai ganhando o Brasil


22/01/2018 às 21:23
"O talentoso cantor e compositor capixaba André Prando é um artista a se prestar atenção, dono de um ótimo repertório indie pop, cheio de referências do folk e rock retrô", diz o texto do DJ e radialista Patricktor4, autor da coluna Música Quente, num artigo em que indica "20 artistas brasileiros para prestar atenção em 2018".
Para quem acompanha a cena alternativa capixaba, Prando é mais que uma promessa, é uma realidade. E é bom prestar atenção mesmo, pois em 2018 ele promete um novo disco.
"Estou fechando um ciclo", diz o artista. Se trata do ciclo iniciado com o lançamento de Estranho Sutil, em 2015, que ainda vem rendendo. O ano passado foi iniciado com o lançamento da regravação do disco em versão ao vivo, feita de forma intimista no estúdio de música da Universidade Federal do Estado (Ufes). E terminou com a versão vinil de Estranho sutil, lançada pelo Selo Ácido. 
Em termos de shows, o artista revela que 2017 foi quando mais rodou, tendo ido com sua banda a sete estados brasileiros, fazendo apresentações e participando de importantes encontros e festivais. E o fechamento do ciclo será em grande estilo: um show do Psicodália, uma espécie de “Woodstock brasileiro”, que acontece durante o carnaval em Santa Catarina.
Voltando ao Espírito Santo, o foco deve ser na finalização do próximo disco, que deve sair em 2018, com a produção do renomado JR Tolstoi. O aperitivo já foi apresentado no ano passado, o single “Em Chamas no Chão”.
André promete uma nova estética, a começar pela temática e letra das canções. Estanho Sutil era introspectivo, sentimental, fruto do acúmulo de alguns anos de experiência de sua juventude. Agora, o artista promete um novo álbum mais “externalizado”, “mais distante de mim”, como diz. A temática deve se voltar mais a temas da sociedade. Um disco talvez mais político, porém longe da música de protesto, possivelmente uma viagem mais filosófica, questionadora, como indica seu estilo. Uma viagem.
O som promete abrir-se ao experimental, num aprofundamento do seu estilo “pop psicodélico”. “Flertando com a psicodelia mas sem medo de passar pelo pop, pelos refrões, privilegiando a letra, que é algo importante em minhas músicas”. Aparatos eletrônicos, guitarras, baixos, sintetizadores, tudo presente. “Mas meu violão segue aqui. É com ele que as músicas nascem de mim”, lembra. Desde que iniciou sua carreira solo, Prando diz sentir-se muito livre para mexer com qualquer ritmo, se sente aberto para o mundo da música e novas experiências, ressaltando sua admiração por artistas como Raul Seixas, Zé Ramalho ou Cássia Eller por esse mesmo desprendimento.
E assim seus ouvidos seguem atentos para novos talentos da cena alternativa como Boogarins, Fransciso El Hombre, Fepaschoal, que ouve e recomenda. E claro, sempre recorrendo aos clássicos como Alceu Valença, Belchior, Sérgio Sampaio e também estrangeiros como Seann Lennon, a psicodelia de Kula Shaker ou John Fusciante, ex-guitarrista do Red Hot Chilli Peppers, que considera como um guru.
Pode-se esperar que o novo disco de André Prando já nasça com mais peso, fruto do acúmulo quase três anos circulando na cena underground capixaba e nacional, com um nome já conhecido e nova produção, trazendo também outras viagens e questionamentos, de um jovem agora mais maduro, rumo aos 28 anos de idade.
Assim que o trabalho estiver pronto, o artista diz que deve reforçar sua aposta em um trabalho de assessoria de comunicação e imprensa consistente, além de focar na produção de vídeos e streamings, de olho nas novas tendências da internet e da cena independente.
Quem viver, ouvirá.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade