Seculo

 

O PT e as relações perigosas


23/01/2018 às 22:45
As mágoas persistem, mas o desejo de ir embora aos poucos começa a desaparecer, como resultado de um olhar mais ampliado da cena política. É assim que fontes destacadas no mercado político enxergam a rearrumação do Partido dos Trabalhadores depois do julgamento do ex-presidente Lula, nesta quarta-feira, qualquer seja o resultado. 
 
As rusgas são decorrentes da atuação do ex-prefeito de Vitória João Coser, que conseguiu no tapetão a vitória sobre o deputado federal Givaldo Vieira na eleição para a Presidência do diretório estadual, em 2017. 
 
Givaldo liderava a ala que defendia o desembarque do governo Paulo Hartung, no qual Coser ocupou uma secretaria. Coser deixou o governo, mas como uma manobra ganhou a Presidência do partido. 
 
A saída de Givaldo, tida como certa até bem pouco tempo, hoje já é vista por alguns como questão superada, levando em conta o cenário político nacional por conta do posicionamento do partido relacionado ao ex-presidente Lula.
 
Condenado ou absolvido, Lula é candidato à Presidência da República, segundo anunciaram os dirigentes petistas em nível nacional. Para garantir o crescimento da candidatura, é imprescindível a construção de palanques em todos os estados e o Espírito Santo não pode ficar de fora. 
 
Ainda mais, como afirmam os petistas, com o sucesso alcançado no Estado pela caravana de Lula, em 2017. A partir desse fato, o partido tomou um novo ânimo, fortalecendo a possibilidade de escolha de um nome para a disputa majoritária, no caso, o Senado.
 
O assunto é “tratado à boca pequena”, mas o nome com maiores chances que surgiu, e não poderia ser de outro modo, foi o do deputado federal  Helder Salomão, ex-prefeito de Cariacica e dono de invejável densidade eleitoral. 
 
Deve pesar na aceitação dessa acomodação, no entanto, fato de que a reeleição de Helder para a Câmara Federal é vista como favas contadas. Mas as conversas estão adiantadas.
 
Caso essa previsão se confirme, Givaldo seria beneficiado com a migração de votos do companheiro de partido e poderia ainda contar com o crescimento natural do PT como resultado do andamento do processo contra o ex-presidente Lula, que vem funcionando como elemento propulsor de popularidade, em todo o país. 
 
Givaldo, por sua vez,mantém conversa com lideranças de outros partidos, em especial do PSB, como o ex-governador Renato Casagrande. No entanto, a indefinição de Casagrande para qual cargo irá disputar, se ao governo ou ao Senado, e alianças em nível nacional que esse partido deverá assumir, colocam a saída de Givaldo em compasso de espera. 
 
Isso porque, ele tem que evitar relações perigosas e ideologicamente desaconselháveis, que poderiam contribuir para manchar sua marca na política, como liderança comprometida com as conquistas sociais e movimentos da classe trabalhadora. Juntar-se à elite que depôs a presidente Dilma Rousseff, a essa altura, pode ser caminho sem volta. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade