Seculo

 

Espírito Santo ocupa a 17ª posição no ranking do trabalho escravo no País


27/01/2018 às 17:14

Às vésperas do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, a ser celebrado neste domingo (28), o Ministério Público do Trabalho (MPT) divulga os dados mais recentes da plataforma Observatório Digital do Trabalho Escravo no Brasil, feita por meio de cooperação técnica com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Entre os anos de 2003 a 2017, 43.428 trabalhadores foram libertados da condições de escravidão no país – trabalhos forçados, em condições degradantes, com jornada exaustiva ou servidão por dívida –, sendo 713 vítimas no Espírito Santo, que ocupa a 17ª posição no ranking nacional.

Nesse período, foram realizadas 33 operações de fiscalização em terras capixabas, sendo que os municípios com maior prevalência de resgates são Conceição da Barra, Pedro Canário, São Mateus, Sooretama e Jaguaré, norte do Estado.

A análise do Observatório aponta o perfil dos profissionais no Espírito Santo: 80% dos egressos nascidos no Estado têm ocupação na agropecuária em geral; 44,44% deles se declaram como pardos ou outras denominações semelhantes; e prevalecem homens com idade entre 18 e 24 anos ou entre 40 e 44 anos. Além disso, 35,83% desses trabalhadores são analfabetos.

O procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Espírito Santo (MPT-ES), Valério Soares Heringer, alerta que “o combate ao trabalho escravo é essencial para a consolidação do ideal de trabalho decente e digno, no campo ou na cidade. Para tanto, todos devem unir-se em prol da eliminação das jornadas exaustivas e das condições degradantes de trabalho, que por sua extensão ou intensidade, acarretam violação de direitos fundamentais trabalhistas relacionados com a segurança, saúde, descanso e convívio familiar e social”, afirma.

O MPT/ES orienta que, ao presenciar alguma situação de trabalho escravo, cabe ao cidadão não só se indignar, mas também acionar os órgãos de proteção, por intermédio do encaminhamento de denúncia ao Disque 100, ao MPT, pelo site ou por telefone (27) 2125-4500. É permitido também realizar denúncias ao Ministério do Trabalho e às entidades sindicais.

Trabalho Escravo Contemporâneo em quadrinhos

O órgão frisa que a data do dia 28 de janeiro tem o propósito de alertar a população a respeito das condições degradantes de trabalho, ensinando a identificar a prática do crime, bem como conscientizar e punir o empregador como explorador de mão de obra semelhante à escravidão.

Nesse sentido, a série MPT em Quadrinhos lançou uma revista sobre o tema, com o título “Trabalho Escravo Contemporâneo”. Na publicação, disponível na internet, é explicado, de forma fácil e ilustrativa, como esse crime é caracterizado, quais são as punições para o empregador que cometê-lo e também quais medidas são tomadas pelo órgão. Assim, a sociedade consegue identificar quando uma situação pode se enquadrar como trabalho escravo e denunciar.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Prefeitura da Serra
‘Liberou geral’

Foi só o prefeito Audifax Barcelos ver ameaçada sua costura com o empresariado, que logo apareceu para ‘colocar a mão’ na Câmara da Serra

OPINIÃO
Editorial
Sem mérito
Governo Hartung explora gestão florestal para tentar esconder atuação pífia e direcionada na área
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Odessey and Oracle
''uma pérola do psicodelismo e do pop barroco britânico''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
Geraldo Hasse
Tchernóbil 32 anos
Por causa do acidente nuclear de 1986, a longevidade da Bielorrússia caiu abaixo de 60 anos
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Advogado se defende da acusação de injúria em ação aberta pelo prefeito de Vitória

'O PT não se preparou para a disputa majoritária no Estado'

Encontro Regional de Agroecologia será realizado neste fim de semana no Estado

Secretária de Educação de Vitória cancela prestação de contas na Câmara