Seculo

 

O estrago


27/01/2018 às 13:15
A condenação previamente anunciada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4), de Porto Alegre, provocou um estrago de dimensões estratosféricas em todos os setores do Partido dos Trabalhadores. Agora, o PT terá que encontrar saídas adequadas diante da ameaça de se transformar, em pouco tempo, em mero coadjuvante no processo político eleitoral. 
 
A investida da máquina oficial em todas as suas instâncias, a participação ativa dos meios de comunicação corporativos e a omissão de dirigentes petistas quanto às questões ideológicas partidárias formaram um extenso e profundo terreno de areia movediça. Parece seguro, mas, a qualquer pressão, desaba e engole o desavisado caminhante. 
 
No cenário da política capixaba, o PT perdeu o bonde da história ao apostar no sistema de coalizão, seguindo a tendência da direção nacional. Só que, no Espírito Santo, as alianças firmadas com as forças antagônicas foram mais intensas. 
 
Assim foi, por exemplo, a união do ex-prefeito de Vitória e ex-deputado federal João Coser com o grupo político do governador Paulo Hartung, de quem foi secretário até bem pouco tempo. 
 
Esse é o caso mais notório, motivo de racha interno, cujo final pode resultar em redução de quadros importantes no partido. Entre eles, o deputado federal Givaldo Vieira, que pode estar com um pé no PSB, colocando em risco até mesmo a marca de sua trajetória política ligada a movimentos sociais.
 
Existem outros exemplos, como a submissão do deputado estadual Nunes ao Palácio Anchieta. Já Padre Honório mantém postura independente, focada no mandato. Às vezes vota com o governo, às vezes não.
 
Na real, mesmo, o PT terá que se virar sozinho, mesmo aliado ao ex-governador Renato Casagrande (PSB), em quem terá que se encostar nas eleições majoritárias de outubro desse ano.
 
Caso se confirme a saída de GivaldoVieira, sobra ao PT, com reais chances de vitória para a Câmara Federal, o ex-prefeito João Coser e o deputado federal Helder Salomão, candidato á reeleição. 
 
Helder, ex-prefeito de Cariacica, é o nome do PT capixaba que não sofre  abalos decorrentes do massacre contra a sigla.Com ficha limpa na prefeitura e desenvolvendo um mandato equilibrado em Brasília, ele pode se movimentar livremente em seu eleitorado, principalmente entre os fieis da Igreja Católica. 
 
O terreno é de areia movediça para o PT no Espírito Santo e, dependendo dos movimentos que fizer, poderá se reerguer logo ou permanecer por um bom tempo inerte, à espera de ajuda. Risco, também, de morte política de algumas lideranças petistas que estavam no partido equivocados, por atolamento ideológico. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade