Seculo

 

Xadrez embolado


30/01/2018 às 14:32
Eleição ao Senado é tarefa difícil e somente poucos conseguem alcançar a vitória. Como no jogo e xadrez, os lances devem ser ousados e precisos, sempre olhando para frente do campo de batalha. No entanto, existe uma particularidade. Para ganhar a partida, o jogador não precisa, necessariamente, ser um velho e experiente enxadrista. Basta entender a lógica, a mecânica do jogo, para se dar bem. 
 
No cenário político do Espírito Santo, a disputa por uma vaga para concorrer ao Senado insere-se nessa mecânica. Velhos e experientes jogadores como os senadores Magno Malta (PR) e Ricardo Ferraço (PSDB), de repente, se veem ameaçados com movimentos de quem têm pouco tempo de jogo. 
 
Como o cavalo do xadrez, os novatos pulam etapas, de um lado ao outro, e se colocam frente a frente com velhos e experientes bispos e rainhas do jogo, habituados a comandar a cena política. Nesses momentos, esses jogadores profissionais com anos de experiência têm que sentar para conversar, mesmo a contragosto. 
 
Dois novatos irromperam no velho e surrado tabuleiro político capixaba e operam movimentos que os colocam como coadjuvantes de destaque com chances de passaram a ser protagonistas principais do jogo. 
 
São eles os deputados Amaro Neto (SD) e Sergio Majeski (PSDB), que assombram os dois senadores cujos mandatos terminam este ano. Cada um ao seu modo, eles empolgam o eleitorado e avançam.  
 
Amaro, o apresentador de TV piegas e com forte apelo popular, por pouco não deixou para trás na eleição de 2016 o ineficiente prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS). Perdeu, mas reuniu capital eleitoral suficiente para disputar cargos mais altos, como o Senado. O prefeito se reelegeu com pequena margem de votos, em inequívoca demonstração de que a população cansou de uma administração que só se sustenta por meio de ações de marketing. 
 
Majeski conseguiu destaque por suas posições equilibradas e bem colocadas, transformando-se no único deputado estadual a exercer, de fato, o papel constitucional de fiscalizar as ações do poder Executivo. Desse modo, cresceu no jogo e pode vir a concorrer ao Senado. 
 
Os dois representam forte ameaça aos dois velhos enxadristas. O cantor gospel Magno Malta tenta se fortalecer junto ao público evangélico, área onde experimenta significativo desgaste, e o representante da classe empresarial Ricardo Ferraço busca se livrar de amarras erguidas no jogo político. Trabalham para romper barreiras construídas por tropeços decorrentes de jogadas equivocadas. 
 
Majeski e Amaro definem as jogadas depois do Carnaval, quando o ano começa a funcionar normalmente. Amaro, ligado ao Palácio Anchieta, aguarda definições sobre o caminho que tomará o governador Paulo Hartung. Mais solto, Majeski espera reunir apoios ao seu projeto por meio de acertos com o grupo do ex-governador Renato Casagrande (PSB). 
 
Ainda faltam muitas jogadas, mas como os pulos dos cavalos do xadrez, os movimentos precisos dos novatos representam ameaça real aos experientes jogadores Magno Malta e Ricardo Ferraço. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade