Seculo

 

Findes não sabe o que fazer com estrutura metálica de mais de R$ 15 milhões


31/01/2018 às 18:03
Será um avião, um disco voador ou um observatório astronômico? Ninguém sabe responder o que será feito com a estrutura metálica de forma arredondada que há 11 anos começou a ser erguida no topo do edifício da Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo (Findes), na Reta da Penha, em Vitória, para abrigar um restaurante giratório.
 
A proprietária do empreendimento, surpreendentemente, também não, embora tenham sido enterrados na obra nada menos do que R$ 15,6 milhões, em valores atualizados. Esses valores incluem multas e outras taxas constantes no processo (nº TC 005.859/2014-0) em andamento no Tribunal de Contas da União (TCU), que acatou representação do Ministério Público Estadual (MPES).
 
A entidade considerou, em nota, a obra inacabada como um “desafio prioritário”, e reafirmou "que estudos técnicos atestam a segurança da estrutura, que passa por manutenções periódicas e não apresenta riscos à população”.
 
A nota prossegue: “No momento, a Findes está realizando a devolução parcelada de R$ 12,8 milhões ao Serviço Social da Indústria (Sesi), regularmente, conforme decisão do Tribunal de Contas da União. Cabe lembrar que o acórdão não apontou nenhum indício de má-fé na obra”.
 
No processo, foram identificadas "possíveis irregularidades envolvendo a concepção e execução das obras de reforma e ampliação do Edifício-Sede da Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo – Findes, incluindo a construção de um restaurante giratório no último pavimento da edificação, com recursos do Sesi/ES e do Senai/ES [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial]”. 
 
Iniciada em 2007, para ser inaugurada nas comemorações dos 50 anos da Findes, a construção do restaurante foi suspensa em 2011, por determinação do Tribunal de Contas, depois de denúncia do Ministério Público.
 
Com um custo inicial de R$ 6 milhões, as obras foram iniciadas na gestão do presidente Lucas Izoton Vieira, idealizador do projeto, e prosseguiram com Marcos Guerra, que deixou a presidência em 2017. Os dois foram responsabilizados, embora o TCU tenha acatado, em parte, suas justificativas para o emprego indevido do dinheiro, contrariando a Constituição Federal. O atual presidente da Findes é Léo de Castro.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Geraldo Hasse
Retalho colorido
Incrível depoimento do capixaba Roberto Menescal a Rolandro Boldrin no programa Sr. Brasil
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Estranho mundo velho
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Majeski busca sensibilizar presidente do TJES sobre fechamento de escolas

Desmonte da Assistência Técnica e Extensão Rural atinge agricultura familiar do Estado

Repasses da prefeitura à Lieges já foram alvos de investigações no MPES e Polícia Civil

Imetame será tema de audiência pública em Aracruz

Mergulho profissional sem condições de segurança condena empresas no Estado