Seculo

 

Lava Toga Já


02/02/2018 às 15:32
Pegou mal nos meios jurídicos a defesa que o desembargador Gebran Neto fez do juiz Sergio Moro e da Operação Lava Jato no final da sentença em que condenou o ex-presidente Lula a 12 anos de prisão.
 
Pegou mal o jogo de cena da ministra Carmen Lúcia em defesa do Judiciário no dia 1/2/2018, findas as longas férias do Judiciário.
 
Pega muitíssimo mal a generalização do auxílio-moradia a todos os juízes e não apenas aos que moram temporariamente num domicílio transitório.
 
Pega muito mal o esforço do ministro Ives Gandra Martins em destruir a Justiça do Trabalho.
 
Há muitas formas de corporativismo na administração pública brasileira, mas nenhuma supera a do Judiciário, cuja arrogância parece originar-se da trinca de prerrogativas constitucionais dos magistrados: a vitaliciedade, a inamovibilidade e a irredutibilidade dos salários.
 
O corporativismo de membros do Judiciário é uma das doenças a minar a saúde da frágil democracia brasileira. Não é por acaso que a opinião pública começa a manifestar inconformismo e revolta diante dos privilégios do Judiciário, segmento que encabeça, atualmente, a lista de maiores iniquidades brasileiras, a saber:
 
- o nepotismo vigente em muitos tribunais
 
- a ineficácia dos Tribunais de Contas, que só operam a posteriori e se mostram incapazes de fiscalizar e/ou auditar as licitações de obras públicas -- antes que as falcatruas sejam colocadas em andamento
 
- o faz-de-conta do Conselho Nacional de Justiça, que não pune ninguém
 
- a falência moral e material do sistema penitenciário brasileiro – escola de crime patrocinada pela Dama de Olhos Vendados
 
- a covardia de servidores públicos que abusam da estabilidade funcional para prestar maus serviços, maltratar cidadãos e humilhar os pobres    
 
- as pensões para as filhas solteiras de militares falecidos
 
- a empáfia de muitos detentores de mandatos populares, que se valem da ignorância da maioria dos cidadãos para se perpetuar no Poder
 
- o foro privilegiado dos políticos corruptos
 
- a desigualdade de rendas, salários e tributos
 
- a venalidade da maior parte da Mídia, que se sujeita docilmente aos ditames do Mercado, esquecida de zelar pelo Interesse Público
 
- o racismo  
 
Egos inflados, superegos inflamados: quem vai cutucar a casa dos marimbondos togados?
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
 
No dia 9 de dezembro de 2008, a cúpula do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo foi alvo da Operação Naufrágio, executada por uma força-tarefa do MPF e da PF. Acusados de venda de sentenças e nepotismo, foram presos e levados para depor em Brasília três desembargadores, dois advogados e uma funcionária do TJE-ES. Era relatora do processo a ministra Laurita Vaz. A história dessa operação exemplar no começo e lamentável no final está contada nas 216 páginas do livro de "Um Novo Espírito Santo: ONDE A CORRUPÇÃO VESTE TOGA", de Rogério Medeiros e Stenka do Amaral Calado, editado em 2010 pela Capital Cultural, do Rio de Janeiro.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Geraldo Hasse
Retalho colorido
Incrível depoimento do capixaba Roberto Menescal a Rolandro Boldrin no programa Sr. Brasil
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Estranho mundo velho
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Majeski busca sensibilizar presidente do TJES sobre fechamento de escolas

Desmonte da Assistência Técnica e Extensão Rural atinge agricultura familiar do Estado

Repasses da prefeitura à Lieges já foram alvos de investigações no MPES e Polícia Civil

Imetame será tema de audiência pública em Aracruz

Mergulho profissional sem condições de segurança condena empresas no Estado