Seculo

 

Marketing x democracia


04/02/2018 às 18:27
Exatos sete meses separam a festança promovida pela Prefeitura de Vitória, dia 4 de junho de 2017, no dia da inauguração do mural de grafiteiros em memória ao brutal assassinato da menina  Araceli Cabrera Crespo, do ato em que o prefeito Luciano Rezende (PPS) proibiu, em 1º de fevereiro de 2018,  projeto de autoria do vereador Roberto Martins (PTB) relacionado ao mesmo assunto. 
 
No primeiro caso, a festa foi devidamente registrada de forma positiva na mídia, ganhando o tom de um ato humanitário e um alerta, necessário, visando reduzir abusos sexuais e a violência contra a criança. No entanto, o cenário, os discursos e os personagens envolvidos na ação não conseguem retirar do evento a marca indelével do marketing eleitoral. 
 
Se não for assim, como justificar o veto do prefeito ao projeto que pede abertura de plebiscito, aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores, para mudar o nome da avenida onde está o viaduto? Não existe alternativa: o veto está relacionado ao autor da iniciativa, por ser de outro partido político e exercer, de fato, o papel para o qual foi eleito: fiscalizar o poder executivo.
 
Em pleno distanciamento da atuação de seus colegas, o vereador Roberto Martins contesta, chama para o debate, enquanto a maioria, candidamente, se submete à vontade do prefeito. 
 
O projeto vetado por Luciano Rezende autorizava a abertura de plebiscito para que população desse seu parecer, de forma democrática, sobre a mudança de nome da avenida Dante Michelini para Araceli Cabrera Crespo, a menina estuprada, drogada e morta por um dos membros da família homenageada.  
 
Na ação marqueteira, em junho de 2017, o supersecretário Fabrício Gandini (PPS0 defendeu a realização do plebiscito, segundo registros da imprensa. Ele era um dos presentes, juntamente com o prefeito e a secretária de Desenvolvimento da Cidade, Lenise Loureiro, pré-candidata à Câmara Federal. Era uma festa do PPS, prato cheio em ano eleitoral. 
 
Mas ficou somente nisso. O vereador foi adiante.     
 
Vale lembrar que a ideia do plebiscito nasceu de discussões no Fórum Municipal Araceli, organismo criado em 2002 no âmbito da Defensoria Pública do Estado, com o objetivo de criar mecanismos visando construir barreiras contra a violência infantil. O veto do prefeito, portanto, é descabido e demonstra o uso político de uma causa que deveria estar acima das estratégias de marketing. 
 
A tragédia da menina Araceli Cabrera Crespo, que há 44 anos horrorizou não só o Espírito Santo, mas grande parte do País, merece tratamento bem acima dos horizontes rasteiros da política meramente partidária. Agir desse modo é estimular o engodo e pisotear a democracia e qualquer sentido humanitário. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade