Seculo

 

Após denúncia da OAB, Tribunal de Justiça regulamenta contratações de dativos


05/02/2018 às 17:24
O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) regulamentou, por meio da Resolução N.º 05 /2018, a nomeação de advogados para atuarem como dativos. O assunto foi alvo de polêmica com denúncia da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Espírito Santo (OAB-ES) de que profissionais com parentesco com magistrados estavam sendo beneficiados. Em outubro, a Ordem enviou uma denúncia à Corregedoria-Geral da Justiça, questionando o favorecimento de filhos de juízes. A denúncia apontou irregularidades em Vitória, Vila Velha, Cariacica, Serra e Viana – onde alguns dativos chegaram a ser nomeados, em um ano, em mais de 120 ações.
 
A denúncia feita pela OAB-ES mostrou ainda que, dos 716 advogados nomeados como dativos entre janeiro de 2016 e junho de 2017, 40 receberam mais da metade dos R$ 4,38 milhões, que foram pagos a todos esses profissionais. Essa minoria recebeu valores entre R$ 27 mil e R$ 97 mil.

Dativos são advogados contratados pelo Estado para atuarem os processos em que seja verificada a inexistência ou insuficiência da prestação de serviços jurídicos pela Defensoria, salvaguardando assim a defesa dos que não possuem recurso para custear um advogado. 
 
Regras
 
O documento, assinado pelo presidente do TJES, desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, foi publicado nesta segunda-feira (5) no Diário Oficial da Justiça do Estado, com o intuito de garantir imparcialidade nas nomeações.

A regulamentação prevê que um edital de seleção deverá ser publicado por três dias consecutivos no Diário da Justiça e afixado em local de destaque na secretaria da unidade judiciária, para que todos os interessados possam se inscrever. Além disso, cada unidade deverá formar, semestralmente, lista própria obedecendo a ordem crescente de envio da inscrição. Após ser nomeado para atuar como dativo em processo, o advogado será direcionado ao final da lista. 
 
Outra regulamentação foi de que a lista mencionada deverá ser publicada por três dias consecutivos no Diário da Justiça em até cinco dias úteis após o encerramento do período de inscrição, devendo estar permanentemente disponibilizada para acesso público na secretaria da unidade judiciária. 
 
Associação
 
A Associação dos Defensores Públicos do Espírito Santo (Adepes), entidade representativa de defensores públicos no Estado, por meio de nota pública, criticou o excessivo gasto com a advocacia dativa. Segundo o texto, dados da Secretaria Estadual de Fazenda indicam que, no ano de 2015, foram gastos R$ 5,4 milhões e, em 2016, R$ 6 milhões, enquanto a redução orçamentária da Defensoria Pública foi de R$ 4 milhões de 2016 para 2017. 
 
A Adepes destacou ainda a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), que vem reiterando o absurdo de resolver a falta de defensor público com advogado dativo. “A Adepes conclama os poderes, notadamente o Executivo, para que se sensibilize com a precária situação vivida pela Defensoria Pública do Espírito Santo, disponibilizando orçamento digno a tão importante instituição, valorizando os membros da Defensoria Pública, que atualmente percebem a pior remuneração dentre todas Defensorias do Brasil”, diz o texto da nota.
 
Já a comissão, que reúne os 115 aprovados no último concurso da Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES), avalia a resolução como um contrassenso, já que a existência de advogados dativos representa a ausência de estrutura da DPES. Enfatiza ainda que o reduzido orçamento destinado à Defensoria Pública inviabiliza as nomeações dos aprovados. 
 
“A Constituição Federal adota o sistema público de prestação de assistência jurídica a ser exercido pela Defensoria Pública, de maneira que a  prestação do serviço por advogados dativos somente é admitida pelas cortes superiores em caráter subsidiário e complementar. A resolução viola o dever de instalação da defensoria pública em todas as comarcas do Estado. O número de aprovados no último concurso é suficiente para suprir o déficit de profissionais da Defensoria Estadual e, por isso, a manutenção dos dativos representará uma forma de burlar o concurso público”, defende o representante da comissão, Vitor Ramalho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Alternativas

Com a mudança no tabuleiro eleitoral do Estado, os olhares se voltam para o palanque de Casagrande e pacto com Rose. Governo, Senado...quem vai?

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
O novo com defeito
O prefeito Luciano Rezende esconde velho modelo da política com frase de efeito
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Saída de Luiz Paulo deve provocar esvaziamento do PSDB no Estado

Operação tartaruga na educação em Linhares tem 90% de adesão

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização