Seculo

 

Após denúncia da OAB, Tribunal de Justiça regulamenta contratações de dativos


05/02/2018 às 17:24
O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) regulamentou, por meio da Resolução N.º 05 /2018, a nomeação de advogados para atuarem como dativos. O assunto foi alvo de polêmica com denúncia da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Espírito Santo (OAB-ES) de que profissionais com parentesco com magistrados estavam sendo beneficiados. Em outubro, a Ordem enviou uma denúncia à Corregedoria-Geral da Justiça, questionando o favorecimento de filhos de juízes. A denúncia apontou irregularidades em Vitória, Vila Velha, Cariacica, Serra e Viana – onde alguns dativos chegaram a ser nomeados, em um ano, em mais de 120 ações.
 
A denúncia feita pela OAB-ES mostrou ainda que, dos 716 advogados nomeados como dativos entre janeiro de 2016 e junho de 2017, 40 receberam mais da metade dos R$ 4,38 milhões, que foram pagos a todos esses profissionais. Essa minoria recebeu valores entre R$ 27 mil e R$ 97 mil.

Dativos são advogados contratados pelo Estado para atuarem os processos em que seja verificada a inexistência ou insuficiência da prestação de serviços jurídicos pela Defensoria, salvaguardando assim a defesa dos que não possuem recurso para custear um advogado. 
 
Regras
 
O documento, assinado pelo presidente do TJES, desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, foi publicado nesta segunda-feira (5) no Diário Oficial da Justiça do Estado, com o intuito de garantir imparcialidade nas nomeações.

A regulamentação prevê que um edital de seleção deverá ser publicado por três dias consecutivos no Diário da Justiça e afixado em local de destaque na secretaria da unidade judiciária, para que todos os interessados possam se inscrever. Além disso, cada unidade deverá formar, semestralmente, lista própria obedecendo a ordem crescente de envio da inscrição. Após ser nomeado para atuar como dativo em processo, o advogado será direcionado ao final da lista. 
 
Outra regulamentação foi de que a lista mencionada deverá ser publicada por três dias consecutivos no Diário da Justiça em até cinco dias úteis após o encerramento do período de inscrição, devendo estar permanentemente disponibilizada para acesso público na secretaria da unidade judiciária. 
 
Associação
 
A Associação dos Defensores Públicos do Espírito Santo (Adepes), entidade representativa de defensores públicos no Estado, por meio de nota pública, criticou o excessivo gasto com a advocacia dativa. Segundo o texto, dados da Secretaria Estadual de Fazenda indicam que, no ano de 2015, foram gastos R$ 5,4 milhões e, em 2016, R$ 6 milhões, enquanto a redução orçamentária da Defensoria Pública foi de R$ 4 milhões de 2016 para 2017. 
 
A Adepes destacou ainda a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), que vem reiterando o absurdo de resolver a falta de defensor público com advogado dativo. “A Adepes conclama os poderes, notadamente o Executivo, para que se sensibilize com a precária situação vivida pela Defensoria Pública do Espírito Santo, disponibilizando orçamento digno a tão importante instituição, valorizando os membros da Defensoria Pública, que atualmente percebem a pior remuneração dentre todas Defensorias do Brasil”, diz o texto da nota.
 
Já a comissão, que reúne os 115 aprovados no último concurso da Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES), avalia a resolução como um contrassenso, já que a existência de advogados dativos representa a ausência de estrutura da DPES. Enfatiza ainda que o reduzido orçamento destinado à Defensoria Pública inviabiliza as nomeações dos aprovados. 
 
“A Constituição Federal adota o sistema público de prestação de assistência jurídica a ser exercido pela Defensoria Pública, de maneira que a  prestação do serviço por advogados dativos somente é admitida pelas cortes superiores em caráter subsidiário e complementar. A resolução viola o dever de instalação da defensoria pública em todas as comarcas do Estado. O número de aprovados no último concurso é suficiente para suprir o déficit de profissionais da Defensoria Estadual e, por isso, a manutenção dos dativos representará uma forma de burlar o concurso público”, defende o representante da comissão, Vitor Ramalho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações