Seculo

 

No ritmo do vai-não-vai


05/02/2018 às 22:41
O intenso bate-perna encarado pelo vice-governador, César Colnago (PSDB) nas férias do governador Paulo Hartung (PMDB), que o levou em 15 dias a percorrer  longas distâncias no Estado,  recebeu um chega pra lá logo depois de o chefe de governo assumir o cargo, no dia 28.  
 
Recebido com efusivos aplausos em 17 municípios, onde acompanhou obras, fez entregas e anunciou investimentos, a movimentação do vice envergando a indumentária de governador desagradou. 
 
Provas disso são os movimentos que ambos adotaram, cada um buscando ampliar espaços e demarcar territórios. A eleição está à porta e as acomodações terão que estar definidas até abril, como fator essencial para definir chapas e seu registro três meses antes da votação.  
 
Depois de dar mostras que deixaria o governo para dar vez a Colnago, a quem apoiaria, Hartung sai da toca e começa a sinalizar que irá concorrer à reeleição, deixando o vice com a única alternativa de disputar outro cargo, o que embolaria as composições para a disputa de deputado federal.
 
Com a imagem desgastada por conta da política de austeridade que causou enormes prejuízos aos servidores, principalmente aos professores, e insatisfação a prefeitos, o governador trabalha para ampliar seu campo de atuação partidária, estendendo seus tentáculos rumo ao PSDB.
 
Mas esbarra, de cara, com grupos de tucanos alinhados com Colnago, que temem a divisão do partido e conhecem de obra o apetite insaciável dele.
 
Assim, não sem motivo, o vice-governador, presidente estadual do PSDB,divulgou uma carta pedindo a união em torno da manutenção dos ideais partidários. Com isso, resguarda-se e demonstra que está firme na disputa. 
O fato é que Hartung não conseguiu controlar o PSDB no Estado, como planejou, mesmo ostentando o controle da poderosa máquina oficial. 
 
Colnago reina e reúne em torno deles influentes grupos, como o do prefeito de Vila velha, Max Filho (PSDB), apesar de especulações contraditórias no mercado político. 
 
Apesar das aparências, Hartung e Colnago podem trilhar caminhos distintos, no ritmo que não é bem aquele harmonioso vai-e-vem da valsa.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Alternativas

Com a mudança no tabuleiro eleitoral do Estado, os olhares se voltam para o palanque de Casagrande e pacto com Rose. Governo, Senado...quem vai?

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
O novo com defeito
O prefeito Luciano Rezende esconde velho modelo da política com frase de efeito
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Saída de Luiz Paulo deve provocar esvaziamento do PSDB no Estado

Operação tartaruga na educação em Linhares tem 90% de adesão

Manobras perigosas

Banalização

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos