Seculo

 

No ritmo do vai-não-vai


05/02/2018 às 22:41
O intenso bate-perna encarado pelo vice-governador, César Colnago (PSDB) nas férias do governador Paulo Hartung (PMDB), que o levou em 15 dias a percorrer  longas distâncias no Estado,  recebeu um chega pra lá logo depois de o chefe de governo assumir o cargo, no dia 28.  
 
Recebido com efusivos aplausos em 17 municípios, onde acompanhou obras, fez entregas e anunciou investimentos, a movimentação do vice envergando a indumentária de governador desagradou. 
 
Provas disso são os movimentos que ambos adotaram, cada um buscando ampliar espaços e demarcar territórios. A eleição está à porta e as acomodações terão que estar definidas até abril, como fator essencial para definir chapas e seu registro três meses antes da votação.  
 
Depois de dar mostras que deixaria o governo para dar vez a Colnago, a quem apoiaria, Hartung sai da toca e começa a sinalizar que irá concorrer à reeleição, deixando o vice com a única alternativa de disputar outro cargo, o que embolaria as composições para a disputa de deputado federal.
 
Com a imagem desgastada por conta da política de austeridade que causou enormes prejuízos aos servidores, principalmente aos professores, e insatisfação a prefeitos, o governador trabalha para ampliar seu campo de atuação partidária, estendendo seus tentáculos rumo ao PSDB.
 
Mas esbarra, de cara, com grupos de tucanos alinhados com Colnago, que temem a divisão do partido e conhecem de obra o apetite insaciável dele.
 
Assim, não sem motivo, o vice-governador, presidente estadual do PSDB,divulgou uma carta pedindo a união em torno da manutenção dos ideais partidários. Com isso, resguarda-se e demonstra que está firme na disputa. 
O fato é que Hartung não conseguiu controlar o PSDB no Estado, como planejou, mesmo ostentando o controle da poderosa máquina oficial. 
 
Colnago reina e reúne em torno deles influentes grupos, como o do prefeito de Vila velha, Max Filho (PSDB), apesar de especulações contraditórias no mercado político. 
 
Apesar das aparências, Hartung e Colnago podem trilhar caminhos distintos, no ritmo que não é bem aquele harmonioso vai-e-vem da valsa.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade