Seculo

 

Empresas são proibidas de vender seguro para viagens de ônibus


07/02/2018 às 16:33
As empresas de transporte coletivo estão proibidas de vender “seguro facultativo” para viagens de ônibus. A informação é da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e foi divulgada nesta terça-feira (6). A nota da ANTT atualiza informação divulgada no ano passado. 
“A ANTT informa que estão proibidas as vendas de seguros facultativos pelas empresas prestadoras de transporte interestadual e internacional de passageiros, nos termos da sentença proferida na Ação Civil Pública nº 0012808-51.2000.4.03.6100/SP”, diz a nota.
 
A ação foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a União Federal, que dá concessão às empresas no transporte coletivo interestadual e internacional, e tramita desde 2000. 
 
A ANTT informa que a Resolução nº 1.454/2006, que previa a oferta do seguro facultativo, foi revogada. Com a determinação, as empresas de ônibus interestaduais e internacionais não podem vender, e nem mesmo ofertar, o seguro nas passagens adquiridas nas rodoviárias. 
 
Vale ressaltar que o não pagamento do seguro facultativo não implica a desassistência do viajante. Tanto o DPVAT, seguro obrigatório pago pelas empresas de ônibus, quanto o Seguro de Responsabilidade Civil (já incluso no valor da tarifa) garantem a segurança dos passageiros e oferecem assistência em caso de acidente.
 
Além de se livrar do “seguro facultativo”, que as empresas em sua maioria tentam obrigar o passageiro a pagar, as empresas de ônibus procuram ignorar os direitos do usuário do transporte coletivo.
 
Direitos
 
No rol dos direitos, um é dos adolescentes com mais de 12 anos, que podem viajar desacompanhados. Para isso, devem apresentar obrigatoriamente documento oficial com foto, os que forem embarcar em ônibus interestaduais. 
 
Entre os documentos com foto aceitos estão carteira de identidade (RG) e passaporte. A carteira de estudante não é considerada documento oficial.
 
A mudança foi introduzida pela Resolução nº 4.308/2014, com o objetivo de oferecer ao adolescente mais segurança e proteção, uma vez que confirma a identificação do passageiro. 
 
Em relação a bagagem, a ANTT informa que o  passageiro surpreendido com dano ou extravio de bagagens tem direito de receber indenização. Para isso, é preciso fazer a reclamação imediatamente após o término da viagem, por meio de formulário, diretamente ao motorista ou no guichê da transportadora. A empresa tem 30 dias para efetuar o pagamento pela bagagem danificada ou extraviada.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Alternativas

Com a mudança no tabuleiro eleitoral do Estado, os olhares se voltam para o palanque de Casagrande e pacto com Rose. Governo, Senado...quem vai?

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
O novo com defeito
O prefeito Luciano Rezende esconde velho modelo da política com frase de efeito
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Saída de Luiz Paulo deve provocar esvaziamento do PSDB no Estado

Operação tartaruga na educação em Linhares tem 90% de adesão

Manobras perigosas

Banalização

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos