Seculo

 

Terror previdenciário


09/02/2018 às 15:57
Há mais de um ano o governo federal argumenta que existe um rombo nas contas da Previdência Social, embora técnicos no assunto não comprometidos com o Poder Político aleguem que a Previdência é superavitária. Segundo esses especialistas, o governo estaria  manipulando números para acelerar a reforma em favor da previdência privada.  
 
Para dirimir eventuais dúvidas, seria preciso fazer uma auditoria – pra valer – não apenas no sistema de Previdência Social, mas nas contas do Orçamento Geral da União, "congelado" por 20 anos pelo Congresso Nacional em meados de 2016 a pedido do ministro da Fazenda Henrique Meirelles.
 
Auditoria geral das contas: quem prestaria esse enorme serviço à Nação?
 
O natural seria que fosse o Congresso Nacional, que infelizmente se tornou um dos menos confiáveis poderes da república.
 
Se a tarefa fosse delegada ao Tribunal de Contas da União, órgão consultivo do Legislativo, não iríamos longe, a menos que a missão fosse terceirizada a um organismo independente como a FGV.
 
Fora daí, em quem confiar? PGE? MPF? ONU? Aparentemente, não faltam órgãos capazes de jogar luz sobre os números da Previdência mas, a esta altura do governo-tampão do vice Michel Temer, é preciso não esquecer que a maior erosão das contas nacionais ocorre graças à manutenção sem cortes nem congelamento do serviço de pagamento de juros aos credores da divida pública.
 
Temos aí uma transfusão permanente de recursos públicos para bancos, especuladores e rentistas em geral. É uma fortuna anual de cerca de 500 bilhões de reais que irriga o patrimônio dos que menos precisam, penalizando a maioria carente que precisa de educação, emprego, saúde e segurança.
 
Pior: ao desmantelar a legislação trabalhista, com a cumplicidade do Congresso, o governo-tampão golpeou pelas costas a Previdência social, que certamente passará a arrecadar menos no correr dos próximos anos, mesmo que os índices de desemprego voltem a cair.
 
Com a precarização das relações de trabalho, os empregadores estão com a faca na mão para cortar os queijos a seu gosto e conveniência.
 
Pela andar da carruagem, o governo está disposto a acelerar a marcha em favor dos interesses privatistas, intrinsecamente insensíveis às necessidades da maioria, que deveria ser o alvo principal da democracia.
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
 
"Planejador econômico é um técnico incapaz de resolver o problema, mas genial em organizar a próxima confusão" (Millôr Fernandes)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade