Seculo

 

Água amarela e gordurosa na torneira revolta moradores de Cedrolândia


09/02/2018 às 22:47

As torneiras das casas de Cedrolândia, na zona rural de Nova Venécia (noroeste do Estado), jorram uma água com cor e gosto de ferrugem e oleosa, o que obriga os moradores a buscar água de cacimba e da chuva para beber e lavar roupas, deixando toda a comunidade com receio de possíveis doenças pela contaminação da água.

O problema começou há alguns anos, quando a Companhia Espirito-Santense de Saneamento (Cesan) entregou o serviço de abastecimento de água para o Comitê de Água de Cedrolândia (CAC), da Associação de Moradores, que não tem, denunciam os moradores, nenhuma capacidade técnica para realizar o serviço. 

As fotos enviadas para a reportagem ilustram bem a afirmação, mostrando instalações velhas, sujas e com risco de ruir, além de equipamentos rudimentares e igualmente em péssimas condições de conservação. Moradores relatam que os funcionários contratados pela associação possuem outros empregos e “passam pela caixa d'água” uma ou duas vezes por dia.

As contas de água, porém, são pagas mensalmente, no valor mínimo de R$ 18, mas que, segundo os moradores, ficam sempre acima de R$ 25, chegando a mais de R$ 40 em algumas residências. A comunidade possui entre 300 e 400 casas, o que dá uma ideia do valor arrecadado mensalmente e indicam um faturamento não condizente com os serviços prestados.

A captação é feita em uma barragem construída pela Cesan no córrego que, antes de chegar à comunidade, passa por várias propriedades rurais, onde o uso de agrotóxicos é intenso. Em 2016, o córrego parou de correr a Cedrolândia passou a ser abastecida por carros-pipa.

No ano passado, um morador local resolveu abrir as duas cacimbas, ainda hoje utilizadas pela população para obter a água de beber. Todos os dias, se dirigem ao local com garrafões e baldes em busca de uma água, pelo menos visualmente, menos suja. Mas análises que confirmem a qualidade da água das cacimbas são desconhecidos pelos moradores ouvidos por Século Diário.

'Soluções individuais'

No documento Elaboração dos Planos de Saneamento Básico e Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – Prognósticos e Alternativas para a Universalização, Condicionantes, Diretrizes, Objetivos e Metas”, elaborado pelo governo estadual em 2017 para onze municípios, é descrita a condição do abastecimento de Cedrolândia.

“O Sistema de Abastecimento de Água (SAA) de Nova Venécia é operado pela Cesan nas áreas urbanas dos distritos Sede, Santo Antônio do XV e Guararema e auxilia, conforme prescrições do programa Pró rural, na operação de sistemas menores implantados nas áreas rurais dos distritos e comunidades. Algumas áreas rurais contam com soluções individuais, cujos sistemas são operados pelos próprios beneficiários, podendo, em alguns casos, não ter assistência nem da concessionária nem da administração municipal”. 

A publicação informa ainda, num trecho em que refere-se explicitamente a Cedrolância, alguns aspectos do serviço prestado pela associação local: “Não há informações acerca da adutora de água bruta; a bomba da EEAB não está funcionando; extravasamento dos floculadores na ETA [Estação de Tratamento de Água]; possibilidade de acesso de pessoas e animais na área do reservatório; reservatório encontra-se em mau estado de conservação; não há monitoramento de água tratada; não há informações a respeito da EEAT [Estação Elevatória de Água Tratada]; não há informação a respeito da vazão da captação”.

Taysnara Marinho mora bem próximo da caixa d'água e diz ter medo. “`Tá’ cheio de rachaduras. Se arrebentar, a minha casa é a primeira a ser inundada”, diz. Nas redes sociais, a jovem é uma das que compartilha sua indignação e reclama por melhorias.

'Quanto mais lava, mais suja'

“Eu tenho uma caixa d'água no quintal pra captar água de chuva, que uso pra lavar roupa. A da associação eu uso pra tomar banho, cozinhar e lavar a casa”, conta, descrevendo um sistema adotado pela maioria dos moradores.


Os que não dispõem da captação de água de chuva, estragam suas roupas com a agua amarela e oleosa da ETA local.  Nas redes sociais, outros moradores contam que não podem mais usar nenhuma roupa branca, porque fica tudo encardido, e que já perderam várias peças brancas por causa da água.

Para Taysnara, os pesadelos são o banheiro, que fica encardido “e quanto mais lava mais sujo fica”, e a pele e o cabelo. “A água tem uma gordura”, reclama.

Ela conta que em dezembro de 2017, a associação organizou um abaixo-assinado para pedir a volta da Cesan, mas os representantes da concessionária que foram à comunidade afirmaram que não seria possível. E um deputado que foi convidado para a reunião, prometeu que iria doar um filtro para a comunidade, mas que o presente talvez só chegasse no final de 2018.

 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Alternativas

Com a mudança no tabuleiro eleitoral do Estado, os olhares se voltam para o palanque de Casagrande e pacto com Rose. Governo, Senado...quem vai?

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
O novo com defeito
O prefeito Luciano Rezende esconde velho modelo da política com frase de efeito
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Saída de Luiz Paulo deve provocar esvaziamento do PSDB no Estado

Manobras perigosas

Operação tartaruga na educação em Linhares tem 90% de adesão

Banalização

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos