Seculo

 

Damballa: um coletivo de cinema negro no Espírito Santo


13/02/2018 às 22:50
Não é preciso ser especialista para perceber que o cinema é uma arte predominantemente produzida, dirigida e atuada por brancos no Brasil, com pouquíssimo espaço para a produção de cineastas negros. Os dados da Agência Nacional de Cinema (Ancine) explicitam essa realidade: em 2016, 75,4% dos longa metragens nacionais foram dirigidos por homens brancos, 19,7% por mulheres brancas, e apenas 2,1% por homens negros. Naquele ano, nenhum filme foi dirigido ou roteirizado por mulheres negras. 
 
É buscando visibilizar esse problema e apontar saídas para resolver essa disparidade, que foi criado o Damballa, primeiro coletivo de cinema negro no Espírito Santo. “O motivo de criar o coletivo, primeiro, está em consonância com a emergente produção audiovisual de realizadores negros e negras que ocorre ineditamente no país. Nela, o Espírito Santo tem dado sua contribuição timidamente. Nesse sentido, a proposta do coletivo é levantar a bandeira do Cinema Negro aqui”, diz Adriano Monteiro, mestre em Comunicação Social e pesquisador de cinema negro.

Mas não basta produzir, o grupo quer ir além, extrapolar os limites criativos estéticos e temáticos, que muitas às vezes tentam enquadrar os cineastas negros, trabalhando o cinema de gênero e outras vertentes como o realismo fantástico, afrofuturismo e terror.
 
O nome Damballa se refere à uma divindade do Vodu, religião de matriz africana, considerada a loa (orixá) da criação e das energias positivas da vida. “Como o Coletivo Damballa é um grupo de criação artística voltado para o realismo fantástico no cinema, acreditamos que esse nome atende tanto a uma celebração das tradições africanas quanto uma celebração das forças mágicas que movem a Terra”, explica Adriano.
 
O grupo também apresenta um caráter político, no sentido de lutar por mais espaços para os produtores negros, incluindo o debate sobre implementação de políticas de ações afirmativas nos editais de fomento à cultura do Estado. “Hoje é possível identificar realizadores negros, principalmente jovens e de início de carreira, porém, pouquíssimos conseguiram ter acesso aos editais de fomento do Estado. Sendo sincero, eu só conheço dois cineastas negros que tiveram suas obras incentivada pela Secult [Secretaria de Estado de Cultura]”, constata. “Isso impacta também na representação negra em nossos filmes. Para um estado que tem mais de 50% da sua população afrodescendente, precisamos alterar este cenário”. 
 
Por conta disso, a primeira ação pública do coletivo será a realização de um encontro sobre ações afirmativas no audiovisual capixaba, no dia 28 de fevereiro no Museu Capixaba do Negro (Mucane), Centro de Vitória. O evento terá exibição de filmes e roda de conversa.

PROGRAMAÇÃO
 
19h: Exibição dos Filmes:
 
“Hic” – Direção: Alexander Buck.
 
“Beatitude” – Direção: Dell Freire. 
 
“Braços Vazios” – Direção: Daiana Rocha.
 
“Sombras do Tempo” – Direção: Edson Ferreira.
 
20h: Roda de conversa “Ações Afirmativas no Audiovisual Capixaba”
 
SERVIÇO
 
Encontro 'Ações Afirmativas no Audiovisual Capixaba'
Dia 28/2 (Quarta-feira)
Local: Auditório do Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas” (MUCANE) — Av. República, 121, Centro de Vitória.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária