Seculo

 

Damballa: um coletivo de cinema negro no Espírito Santo


13/02/2018 às 22:50
Não é preciso ser especialista para perceber que o cinema é uma arte predominantemente produzida, dirigida e atuada por brancos no Brasil, com pouquíssimo espaço para a produção de cineastas negros. Os dados da Agência Nacional de Cinema (Ancine) explicitam essa realidade: em 2016, 75,4% dos longa metragens nacionais foram dirigidos por homens brancos, 19,7% por mulheres brancas, e apenas 2,1% por homens negros. Naquele ano, nenhum filme foi dirigido ou roteirizado por mulheres negras. 
 
É buscando visibilizar esse problema e apontar saídas para resolver essa disparidade, que foi criado o Damballa, primeiro coletivo de cinema negro no Espírito Santo. “O motivo de criar o coletivo, primeiro, está em consonância com a emergente produção audiovisual de realizadores negros e negras que ocorre ineditamente no país. Nela, o Espírito Santo tem dado sua contribuição timidamente. Nesse sentido, a proposta do coletivo é levantar a bandeira do Cinema Negro aqui”, diz Adriano Monteiro, mestre em Comunicação Social e pesquisador de cinema negro.

Mas não basta produzir, o grupo quer ir além, extrapolar os limites criativos estéticos e temáticos, que muitas às vezes tentam enquadrar os cineastas negros, trabalhando o cinema de gênero e outras vertentes como o realismo fantástico, afrofuturismo e terror.
 
O nome Damballa se refere à uma divindade do Vodu, religião de matriz africana, considerada a loa (orixá) da criação e das energias positivas da vida. “Como o Coletivo Damballa é um grupo de criação artística voltado para o realismo fantástico no cinema, acreditamos que esse nome atende tanto a uma celebração das tradições africanas quanto uma celebração das forças mágicas que movem a Terra”, explica Adriano.
 
O grupo também apresenta um caráter político, no sentido de lutar por mais espaços para os produtores negros, incluindo o debate sobre implementação de políticas de ações afirmativas nos editais de fomento à cultura do Estado. “Hoje é possível identificar realizadores negros, principalmente jovens e de início de carreira, porém, pouquíssimos conseguiram ter acesso aos editais de fomento do Estado. Sendo sincero, eu só conheço dois cineastas negros que tiveram suas obras incentivada pela Secult [Secretaria de Estado de Cultura]”, constata. “Isso impacta também na representação negra em nossos filmes. Para um estado que tem mais de 50% da sua população afrodescendente, precisamos alterar este cenário”. 
 
Por conta disso, a primeira ação pública do coletivo será a realização de um encontro sobre ações afirmativas no audiovisual capixaba, no dia 28 de fevereiro no Museu Capixaba do Negro (Mucane), Centro de Vitória. O evento terá exibição de filmes e roda de conversa.

PROGRAMAÇÃO
 
19h: Exibição dos Filmes:
 
“Hic” – Direção: Alexander Buck.
 
“Beatitude” – Direção: Dell Freire. 
 
“Braços Vazios” – Direção: Daiana Rocha.
 
“Sombras do Tempo” – Direção: Edson Ferreira.
 
20h: Roda de conversa “Ações Afirmativas no Audiovisual Capixaba”
 
SERVIÇO
 
Encontro 'Ações Afirmativas no Audiovisual Capixaba'
Dia 28/2 (Quarta-feira)
Local: Auditório do Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas” (MUCANE) — Av. República, 121, Centro de Vitória.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia