Seculo

 

A força da oposição


01/03/2018 às 18:04
Desde a troca do PSDB pelo PPS formalizada pelo ex-prefeito de Vitória Luiz Paulo Vellozo Lucas, seguida da criação do “PSDB Autêntico”, liderado pelo prefeito de Vila Velha, Max Filho, começou a ser formado um novo e robusto grupo político nas articulações visando à sucessão estadual em 2018.
Em consequência, míngua o círculo em torno do governador Paulo Hartung, que terá que se articular com seu partido, o MDB, dividido, e um PSDB esfacelado e em vias de ficar cada vez menor. E os partidos nanicos. 
Para agravar o cenário, o PSDB estadual terá que enfrentar um cenário ainda mais confuso com as coligações feitas em nível nacional, que levam o partido para campos opostos às articulações nos estados. 
É com o objetivo de analisar o quadro local que o presidente nacional do partido, o governador paulista Geraldo Alckmin, desembarca no Espírito Santo ainda neste mês, na tentativa de fortalecer sua candidatura presidencial, até agora com dificuldade de decolar. 
Com Luiz Paulo fora e o prefeito de Vila Velha com os dois pés em oura sigla, o PSDB no Espírito Santo fica capenga. 
Em contrapartida, ganham o PSB do ex-governador Renato Casagrande, o PPS do prefeito Luciano Rezende, o PT, e o Podemos, provável destino de Max Filho. 
Um grupo forte e com potencial eleitoral já testado nas urnas, que ameaça o projeto de sucessão do governador Paulo Hartung. 
Tanto é assim que, como político experiente que é, Hartung fixou na gestão de Renato Casagrande boa parte de suas críticas na prestação de contas que fez quarta-feira(28) na Assembleia Legislativa.
Tenta atingir o grupo, via o ex-governador, porque não encontra argumentação justificável contra os outros integrantes, em especial os estreantes na política. 
Para Hartung, o cenário das articulações fica cada vez mais reduzido. Isso não quer dizer, no entanto, uma previsão de derrota. 
Há que ser considerado que ele mantém o controle da máquina pública e detém recursos financeiros disponíveis para pagar emendas parlamentares e agraciar os municípios. 
De outro lado,  deve ser levado em conta, também, a imprevisibilidade neste cenário de crise em que vive o País, que amplia a falta de confiança do eleitor na classe política, que poderá resultar em situações surpreendentes. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura