Seculo

 

Montando a cena


02/03/2018 às 18:04
Neste mês a classe política vai bombar. A frase é de uma atenta observadora e traduz com perfeição o clima que toma conta do mercado político a partir desta quarta-feira, 7 de março de 2018. 
É quando começa o período permitido para a troca de partidos sem o risco de perda do mandato. Neste ano, os deputados estaduais são os agraciados com a medida.
A se confirmaram as previsões, como já foi dito neste espaço, a migração de um partido para outro enfraquece as coligações que até agora deram sustentação ao governo de Paulo Hartung. 
Paralelamente, começam a se formar grupos visando colocar em prática uma nova política, mesmo que seus integrantes já tenham bastante experiência na área.  
Estão nesse contexto o prefeito de Vila Velha, Max Filho, o deputado estadual Sérgio Majeski, o prefeito de Vila Velha, Max Filho, e o ex-prefeito de Vitória Luiz Paulo Vellozo Lucas. 
É evidente que não se pode afirmar que, no contexto que se desenha, o cenário político no Estado vá se transformar em um paraíso do ponto de vista social e econômico.
O que deve ser observado é que sem mudança no modelo de gestão e de desenvolvimento econômico, não haverá as melhorias esperadas, principalmente os avanços sociais reivindicados, e extremamente necessários, pela população. 
Há que se considerar, também, que o cenário regional está inserido na nação brasileira, que passa por uma situação de crise em todas as áreas como nunca se viu anteriormente.
No entanto, ocorrendo o esfacelamento de um grupo que há décadas detém a hegemonia na cena política, deteriorando com o passar dos anos velhas práticas que nem o selo da falsa modernidade pode encobrir, haverá um avanço, mesmo que reduzido. 
Por enquanto, o que se observa é uma mistura de alhos com bugalhos, como diz o dito popular, no troca-troca de partidos. Existem os aproveitadores, os infiéis às causas, e os que não têm causa nenhuma, com exceção de seus interesses. 
Do que sairá dessa mistura e da escolha do eleitor, decepcionado com a classe política, vai depender se a cena seguinte será clara ou sombria.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura