Seculo

 

Santander de Guarapari é intimado pela Justiça sobre acessibilidade


03/03/2018 às 14:55
O juiz Antonio Côrtes da Paixão, da 2ª Vara Cível de Guarapari, concedeu liminar favorável à ação movida pela Associação de Pais e Amigos dos Surdos e Outras Deficiências (Apasod) – processo nº 0000676-56.2018.8.08.0021 – determinando um prazo de 30 dias para que a agência do Banco Santander de Guarapari sinalize as grades existentes sobre a tubulação, em sua calçada, em conformidade com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), de forma que os deficientes visuais possam perceber sua existência.

“Mesmo um idoso que transite pela calçada – sem a necessidade de se dirigir especificamente à agência do requerido – corre o risco de ver sua incolumidade física atingida por uma bengala que fique presa na referida grade. Que dizer, então, de um deficiente visual com sua vareta tátil que fique presa de forma semelhante?”, alega a Apasod.

Sobre os demais pedidos feitos no processo, o juiz intimou a instituição bancária “a apresentar resposta concentrada, ou seja, em uma só peça toda a matéria que tiver de alegar”. Os pedidos são a retirada da porta de entrada da agência, do selo internacional que comunica o atendimento da instituição à legislação de acessibilidade e a apresentação e execução de um Plano de Adequação à legislação. 

A entidade informa que a agência de Guarapari do Santander descumpre a legislação, visto que “ainda não dispõe das adaptações necessárias, como rampas de acesso, plataformas elevatórias em estabelecimentos localizados em andar superior, saídas de emergência acessíveis, piso podotátil, portas que possibilitem acesso com autonomia, dentre outras”.

A ação solicita ainda o pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 1 milhão. O valor é a somatória de dez anos de descumprimento da lei federal - Decreto nº 5.296/04 – que estabelece a obrigatoriedade de prédios públicos e de uso público oferecerem plena acessibilidade a pessoas com deficiência de locomoção, sendo proposto a quantia de R$ 100 mil por ano de descumprimento.

O objetivo do pedido de indenização é impor ao ofensor uma condenação pecuniária “que signifique uma penalização pela prática de conduta tão reprovável quanto ilícita, que, certamente, resultou em benefícios indevidos para si, circunstância que fere e indigna a sociedade como um todo”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura