Seculo

 

Professores recolhem assinaturas para intervenção no sindicato da categoria


06/03/2018 às 12:18
As polêmicas envolvendo o Sindicato dos Professores da Rede Particular do Estado (Sinpro) continuam. Depois de interferências da Justiça no processo eleitoral da entidade, com mandado de busca e apreensão e suspensão do pleito (marcado para o último dia 29), professores lançaram uma petição pública na internet. Chamado “Renova Sinpro-ES! Democracia Sindical Já!”, até a manhã desta terça-feira (6), o abaixo-assinado tinha recolhido 179 assinaturas. 
“Nós, professores/as da Rede Privada de Ensino do Espírito Santo, sindicalizados ao Sinpro-ES, declaramos apoio irrestrito às operações judiciais de suspensão do processo eleitoral 2018 do Sinpro-ES e investigação das suspeitas de fraudes praticadas pela gestão capitaneada por Jonas Rodrigues de Paula e Juliano Pavezi, presidente e secretário-geral do Sindicato, respectivamente”, diz o  texto da petição.
 
A juíza do Trabalho Lucy de Fátima Cruz Lago, titular da 9ª Vara do Trabalho de Vitória, concedeu liminar obrigando o Sinpro a exibir as atas de assembleias de mudança do Estatuto e do processo eleitoral da entidade. Isso ocorreu depois que os diretores da entidade César Albenes de Mendonça Cruz e Antonio Carlos Vivaldi afirmarem desconhecer a existência de processo eleitoral na entidade. 
 
A documentação apreendida demonstrou modificação no Estatuto do Sindicato, em assembleia realizada em 31 de julho de 2017, férias dos professores. Participaram do encontro somente seis pessoas, todos diretores do sindicato. 
 
Os diretores citados no processo, César Albenes de Mendonça Cruz e Antonio Carlos Vivaldi, explicaram que o presidente e secretário-geral do Sinpro indicaram os advogados da entidade, que são subordinados à diretoria, para conduzir a comissão eleitoral, sem conhecimento de todos os membros da executiva.  A convocação das eleições foi publicada no dia 1 de fevereiro de 2018, quinta-feira, com apenas cinco dias corridos para inscrição de chapa. E o próprio diretor Juliano Pavezi Peixoto inscreveu, no dia 6 de fevereiro de 2018, a chapa única.
 
Segundo Albenes e Vivaldi, o presidente e secretário-geral apresentaram também à Justiça um documento forjado, uma ata de reunião que teria ocorrido no dia 13 de dezembro, que supostamente teria aprovado o processo eleitoral. O documento, no entanto, foi apresentado com lista de presença anexa, sem as assinaturas dos presentes na própria ata. “Voltamos de férias no dia 1º de fevereiro e fomos surpreendidos com a publicação do edital. A última reunião em que toda a diretoria estava presente foi em 13 de dezembro de 2017, antes do recesso, e nada foi falado sobre eleições”, afirmou Vivaldi. 
 
Diante do que consideram falta de transparência, manipulação e obstrução do processo eleitoral, os diretores também devem acionar a Justiça por falsificação de documentos. No caso, a ata da reunião do dia 13 de dezembro. 
 
Albenes e Vivaldi esperam a abertura de um novo processo eleitoral transparente, que dê ampla divulgação para que chapas concorrentes possam se inscrever. Assim como outros professores que também desejam inscrever chapas de oposição, entre eles Raphael Aguiar Bremenkamp, autor do processo que corre na Justiça do Trabalho. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura