Seculo

 

Vereadores de Vitória rejeitam criação da 'CPI do Samba'


06/03/2018 às 19:06
Dos 15 vereadores de Vitória, apenas o autor da solicitação, Roberto Martins (PTB), assinou o documento pedindo a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar  supostas irregularidades na liberação de verbas da Prefeitura de Vitória pela Liga do Grupo Especial (Liesge) para o Carnaval no Sambão do Povo. 
Martins está de posse de documentos que comprovariam as irregularidades, entre elas, o pagamento de pedágio. Ele tem cópias de cheque e do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)  assinado pela Prefeitura, o Ministério o Público e os presidentes das duas ligas das escolas, a Liesge e a Lieses, cabendo à Liesge receber os recursos da Prefeitura e repassá-los a cada escola.  
“Nós recebemos inúmeras denúncias de má utilização dos recursos repassados pelo Município de Vitória à Liesge’, afirma o vereador. 
Segundo ele, primeiro foram vários presidentes de escolas de samba que alegaram que o ágio cobrado pela Liesge no valor dos repasses das premiações não estava previsto no Edital. 
Mas, para a instauração da CPI, segundo preceito constitucional, é necessário a assinatura de pelo menos um terço do Legislativo. 
“Parece senso-comum que os parlamentares da cidade de Vitória não estão querendo investigar a fundo esta questão; lógico, temem a opinião pública e as retaliações da PMV”, criticou Roberto Martins. 
Além disso, afirma Ro vereador, chegou até ele uma representação ao MP, em que já estaria demonstrada a prática de irregularidades na própria formação da Liesge.
“Me parece muito suspeito que a Prefeitura tenha firmado essa parceria com  a Liesge, mesmo sabendo que havia irregularidades quanto à constituição da entidade, num prazo inferior a um ano (sendo que a  lei exige prazo maior). Precisamos da CPI justamente para poder aprofundar essa investigação”, denuncia Roberto Martins. 
O pedido de instauração da CPI ficou decidido depois da análise de documentos apresentados na reunião convocada pelo vereador na última sexta-feira (2) com presidentes de escolas de samba.
O presidente da Liesge, Rogério Sarmento, encarregado pela distribuição dos recursos repassados pela Prefeitura de Vitória às escolas, não compareceu. 
De acordo com o vereador, os próprios presentes à reunião, que pedem para não ser identificados, estariam sofrendo ameaças..
As denúncias sobre supostas irregularidades surgiram por meio de uma denúncia o presidente da escola Pega no Samba, Alex Santos.
Segundo ele, a Liesge teria exigindo um montante de 40% dos recursos públicos transferidos pela Prefeitura às agremiações para liberação das quantias que caberia a cada uma. Por esse critério, cada escola teria que repassar à Liesge o valor de R$ 113 mil  de R$ 297,8 mil disponibilizados para cada escola do grupo especial.
Martins já havia apresenado requerimento à Câmara para investigar as denúncias, que vieram à tona pela imprensa contra o presidente da Liesge, Rogério Sarmento. O caso também é apurado pelo Ministério Público Estadual (MPES). 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura