Seculo

 

TJES confirma condenação de Gratz, José Tasso e André Nogueira no caso das diárias


08/03/2018 às 11:27
A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Espírito Santo negou provimento ao recurso interposto pelo ex-deputado José Carlos Gratz, pelo também ex-deputado José Tasso de Oliveira Andrade e pelo ex-diretor da Assembleia Legislativa André Luiz Cruz Nogueira. As defesas dos citados entraram com embargos de declaração pedindo revisão da sentença que confirmou a concessão irregular de diárias a José Tasso e que condenou os três ex-integrantes da Assembleia por improbidade administrativa.
 
Segundo o relator dos embargos de declaração, desembargador Namyr Carlos de Souza Filho, só cabem embargos quando existirem na sentença ou acórdão vícios de omissão, contradição ou obscuridade e para corrigir erro material, o que não é o caso dos autos: “A irresignação recursal demonstra apenas o inconformismo com os termos do acórdão, haja vista que a matéria está devidamente enfrentada na decisão recorrida, não estando, portanto, eivado de contradição, omissão ou obscuridade a ser sanada”, ressaltou.
 
O relator destaca, ainda, que não há qualquer nulidade nas peças processuais apresentadas pelo Ministério Público Estadual, que comprovaram que o ex-parlamentar José Tasso teria recebido diárias sem ter saído de Vitória e, inclusive, tendo participado de sessões na Assembleia Legislativa nas aludidas datas.
 
“Inafastável a orientação jurisprudencial de que os embargos de declaração não se revelam via idônea para reabrir o debate sobre as questões já decididas nos autos”, concluiu o relator, negando provimento ao recurso, sendo acompanhado, à unanimidade, pelos demais componentes da 2ª Câmara Cível.
 
José Carlos Gratz, José Tasso de Oliveira Andrade e André Luiz Cruz Nogueira foram condenados, em 21 de abril de 203,  pelo juiz Manoel Cruz Doval, da  3ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória. A condenação foi por crime de improbidade administrativa. As penalidades aplicada à época foram ressarcimento integral do dano por parte de todos os réus, perda da função pública e multa, além de suspensão dos direitos políticos por cinco anos para José Carlos Gratz e André Luiz Cruz Nogueira e por oito anos para o réu José Tasso de Oliveira Andrade.
 
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura