Seculo

 

Retrocesso à direita


08/03/2018 às 16:35

Na festividade de filiação do presidenciável Jair Bolsonaro ao Partido Social Liberal (PSL), o senador Magno Malta (PR) voltou a aparecer, depois de muito tempo sumido, como figura de destaque no evento realizado em Brasília, nessa quarta-feira (7).

No mais puro estilo da cultura da violência que toma conta do País e se insere em todos os setores da sociedade, Bolsonaro se cercou de aliados, principalmente integrantes das chamadas bancadas da Bala e da Bíblia.

Exaltou a militarização, porque, segundo ele, “violência se combate com violência e, se for necessário, com mais violência”. Magno Malta aplaudiu, ao lado de Bolsonaro, e depois fez orações.

Como figura preferida para ser vice de Bolsonaro na chapa presidencial, o senador vê nesse cenário a alternativa de levantar sua densidade eleitoral, em baixa por conta da ascensão do deputado estadual Amaro Neto (SD), que corre na mesma raia.

Acolhido como figura destacada no “primeiro partido oficialmente conservador de direita do País”, como foi dito em um dos discursos, Magno Malta alcançou esse patamar por conta de suas ações oportunistas que agradam o público evangélico mais conservador.

No entanto, sua atuação autoritária na Comissão dos Maus Tratos contra o Menor, no Congresso Nacional, gerou muita rejeição.

O comportamento oportunista e conservador repercutiu negativamente no  cenário político e agravou-se com a entrada de novos personagens. Assim, o eleitorado de Magno, maciçamente situado nas camadas mais pobres da população, migrou para outros candidatos, reduzindo suas chances de reeleição.

Até mesmo porque sua atuação no Congresso Nacional resume-se a projetos com a marca de interesses corporativos, sejam eles religiosos ou empresariais, que levaram as bancadas da Bala e da Bíblia a se aliarem à bancada do Boi, ligada ao agronegócio, com longa folha de serviços prestada ao retrocesso político no Brasil.

Como candidato a vice de Bolsonaro, Magno Malta se acomoda perfeitamente  no perfil do presidenciável, que representa o que existe de mais atrasado na política brasileira na atualidade.

Com chances reais de alcançar a vitória - Bolsonaro pode chegar lá, já que tem 20% das intenções de voto caso o ex-presidente Lula seja impedido de concorrer, segundo as pesquisas mais recentes.

Um cenário catastrófico para o Brasil, mas que pode ocorrer.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura