Seculo

 

Aumenta pressão a Hartung para definição de candidatura


09/03/2018 às 16:32
O lançamento da candidatura do ex-governador Renato Casagrande ao governo em evento nacional do PSB e as conversações do prefeito de Vila Velha, Max Filho (PSDB), com o presidente nacional do Podemos, senador Álvaro Dias, representam ativo combustível para aumentar a pressão no cenário político do Estado. 
 
Embora os fatos sejam isolados e sem confirmação oficial, servem para demonstrar que a máquina política está a pleno vapor nos círculos de oposição ao governador Paulo Hartung.
 
O objetivo é pressioná-lo para que ele defina se é candidato à reeleição, como é dado como certo no mercado, ou se pretende ir para uma disputa ao Senado, opção vista como improvável, mas não totalmente descartada. 
 
Os movimentos de Casagrande e Max Filho, cuja aparência pode mostrar distanciamento, na realidade se harmonizam dentro de uma visão mais ampliada em um cenário a demonstrar um governo cada vez mais isolado, embora ainda com grande concentração no controle da máquina pública. 
 
Ao lançar o nome de Casagrande ao governo, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, demarca o território. Da mesma forma age Max Filho, ao manter articulações com o senador  Álvaro Dias, sinalizando que está no jogo.
 
Desse modo, a tão decantada unanimidade em torno de Hartung vira coisa do passado, o que o coloca em uma situação que o obriga a uma releitura de aliados, principalmente depois da migração do ex-prefeito Luiz Paulo Vellozo Lucas para o PPS, movimento que fortalece o ex-governador Renato Casagrande.
 
No PSDB, partido que dá sustentação à base aliada de Hartung, como nome de destaque sobram o vice-governador César Colnago e o tucano recém-emplumado, por imposição do governo, Octaciano Neto, secretário de Agricultura e candidato a deputado federal.
 
De saída do partido, o deputado estadual Sergio Majeski permanece no pé do governador, como único representante da oposição na Assembleia Legislativa e candidato potencial à majoritária, provavelmente o Senado. 
 
Completa o quadro  a senadora Rose de Freitas, disposta a confrontar Hartung até mesmo dentro do MDB, cujo controle dos 200 delegados é alvo de discretas investidas de ambos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace