Seculo

 

Desprotegidas pelo Estado


10/03/2018 às 19:47
São muitas homenagens no Dia Internacional da Mulher: flores, bombons, presentes e descontos em serviços, sobretudo os ligados à beleza e à estética. Tudo isso, as jovens, adultas e idosas podem até apreciar, mas  passa muito longe do que significa a data. No Espírito Santo e no mundo, o dia é de "grito". Grito contra a desigualdade de gênero, grito contra a violência e a opressão, grito contra a omissão do Estado.
 
As mulheres esperam ser homenageadas, em primeiro lugar, com o direito à vida. Muitas morrem precocemente pelo simples fato de terem nascido como tais. Diante de tantos crimes, dia após dia, foi aprovada a Lei do Feminicídio, homicídio qualificado, quando ocasionado pela simples questão de gênero. São namoradas, noivas, esposas ou ex que sofrem atentados daqueles que já declararam “amor”, mas, que, na verdade, sentem posse. Como se a mulher fosse um objeto de propriedade exclusiva e intransferível. 
 
Não, o 8 de Março não é um dia de flores e bombons. Diferentemente de diversas outras datas comemorativas, essa não foi criada pelo comércio. Oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, é celebrado para marcar inúmeras lutas de mulheres que surgiram muito antes do século 20, trabalhadoras que lutavam por melhores condições de trabalho, pelo direito ao voto e pelo fim do trabalho de seus filhos, que era  permitido naquela época. 
 
Desde o final do século 19, operárias que atuavam, sobretudo, na indústria têxtil, protestavam contra jornadas de trabalho de até 15 horas diárias a baixos salários. Em 1909, mais de três mil mulheres caminharam em protesto pelas ruas de Nova York e, em 1909, houve uma greve que quase fechou muitas tecelagens. Na Rússia, em 8 de março de 1917, operárias russas saíram às ruas para se manifestar contra a fome e a Primeira Guerra Mundial, o que se tornou o princípio da Revolução Russa. 
 
Mantendo a tradição que está na origem do 8 de março, neste ano, no Espírito Santo, a data foi marcada mais uma vez com o necessário "grito" em passeata pelas ruas da Capital, encerrada com a entrega de uma carta ao governador Paulo Hartung, omisso em efetivar políticas públicas direcionados a essa segmento. Essa leniência tem contribuído de forma decisiva para que o Estado lidere, há quase duas décadas, os rankings nacionais de violência e feminicídio, principalmente de mulheres negras e pobres.
 
Realizado pelo Fórum de Mulheres do Estado, o documento voltou a cobrar de Hartung: “Gostaríamos muito de comemorar o Dia Internacional de Luta da Mulher, entretanto, a realidade das mulheres no Brasil e, principalmente no Espírito Santo, não nos permite. Vale reafirmar que ainda estamos entre os primeiros lugares no ranking de feminicídio. Só no ano passado, mais de 100 mulheres foram assassinadas, a maioria, negras. Exigimos do Estado que essa realidade de feminicídio seja enfrentada e não ignorada, como tem acontecido. Exigimos também a efetivação da Lei Maria da Penha de forma que envolva todos os organismos governamentais do executivo, do legislativo e do Judiciário na sua aplicação. É necessário efetivação de políticas públicas de prevenção e de combate a todas as formas de violência contra as mulheres. Não queremos que a violência se mantenha como parte do nosso cotidiano”.
 
Esse mesmo "grito" das mulheres capixabas ecoa também no País, onde uma mulher é assassinada a cada duas horas, de acordo com as estatísticas. Outro dado ainda revelador: apesar de as mulheres terem um nível educacional mais alto, elas ganham, em média, 76,5% do salário masculino, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Esqueça as flores e os bombons. Quantas décadas mais serão necessárias, até o 8 de março se tornar um dia para ser igual?
 

 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura