Seculo

 

Marinha do Brasil quer excluir Trindade da proteção integral em unidades de conservação


12/03/2018 às 17:57
Pegos de surpresa, os cientistas e ambientalistas que atuam em favor da criação das unidades de conservação em Trindade e em São Pedro e São Paulo estão correndo contra o tempo para mobilizar a comunidade científica, os movimentos ambientais e a sociedade como um todo, para pressionar a Marinha do Brasil a rever sua intenção de excluir as ilhas das áreas que estão sendo destinadas para a criação das novas unidades de conservação marinhas do país.

A possibilidade foi descoberta porque dois mapas “vazados” nas redes sociais mostram desenhos bem diferentes dos discutidos tecnicamente até então, para as áreas das unidades de conservação de proteção integral a serem criadas nos dois arquipélagos – Trindade e Martim Vaz, no Espírito Santo, a 1.200 km de Vitória, e São Pedro e São Paulo a 1.000 km da costa pernambucana.

Nesses mapas, os arquipélagos estariam de fora da proteção integral, restando apenas os caminhos entre as ilhas e o litoral, onde a biodiversidade é sensivelmente menor, fazendo com que as UCs percam o sentido de existir.

“Os mapas não são definitivos, porém reais. Retratam o tipo de negociação que está acontecendo agora. É uma situação muito preocupante e que requer mobilização da sociedade”, avalia Heloísa Dias, coordenadora do Colegiado Mar da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA/Unesco).

Como pressionar

E-mails e telefones do Comandante da Marinha, Almirante Bacellar Ferreira, do ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil, e do gabinete pessoal do Presidente da República estão sendo divulgados pelos ativistas, para que a sociedade se manifeste. Um abaixo-assinado eletrônico também está sendo direcionado às autoridades.

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, chegou a anunciar, no último dia 5 de março, que o presidente Michel Temer deverá assinar o decreto federal de criação das quatro UC no dia 18 de março, durante 8º o Fórum Mundial da Água, que acontece em Brasília de 18 a 23 de março.

Na próxima terça-feira (13), uma reunião entre os ministérios da Defesa e do Meio Ambiente e a Presidência da República pode ser definitiva para estabelecer o traçado final das unidades de conservação. Até lá é preciso pressionar os gestores, para que reconsiderarem o que é considerado um erro técnico e uma gafe internacional por parte das Forças Armadas Brasileiras.

“Fomos pegos de surpresa. Isso vai contra todas as pesquisas que estão sendo feitas, todo o esforço de conservação. Não tem nenhum respaldo técnico e é uma grande gafe internacional. Várias entidades internacionais estão apoiando a proteção integral das ilhas”, afirma o biólogo Flavio do Nascimento Coelho, especialista em Biologia Marinha e integrante da ONG Voz da Natureza, uma das entidades mais atuantes em pesquisas científicas nas duas ilhas e na atuação política em favor da criação das UCs.

Até o vazamento dos mapas, a proposta que estava em andamento, anunciada por Sarney Filho no dia cinco de março, era formada por um Monumento Natural (Mona) e uma Área de Proteção Ambiental (APA) para cada um dos arquipélagos. “É um grande ganho, uma decisão histórica”, disse o ministro.

Ele disse ainda que cada uma das APAs teria 40 milhões de hectares. Já o Monumento Natural de Trindade e Martin Vaz somará 6 milhões de hectares e o de São Pedro e São Paulo, 4 milhões de hectares. Com isso, acrescentou Sarney Filho em entrevista coletiva após a audiência, o Brasil passará dos atuais 1,5% de áreas protegidas marinhas para 25%, um avanço que permitirá ao país cumprir com folga a Meta 11 de Aichi, que prevê a proteção de 17% das áreas marinhas e costeiras de cada país até 2020.

“Não deve haver conflito de interesse entre pesquisa e Forças Armadas. Se houve pesquisa até hoje foi porque a Marinha forneceu alojamento, transporte, alimentação. As duas coisas devem se somar”, argumenta o ambientalista da Voz da Natureza.

Nas redes sociais, os ativistas pedem “a todos que se importam com a conservação marinha que liguem para os números abaixo e educadamente peçam pela inclusão das ilhas nos monumentos naturais.

recisamos de uma chuva de ligações para sermos ouvidos”.

Seguem os contatos sugeridos:

Telefones:
* Comandante da Marinha, Almirante Bacellar Ferreira: (61)3429–1001
* Casa Civil da Presidência - Ministro Eliseu Padilha: (61) 3411-1573/1935
* Gabinete Pessoal do Presidente da República: (61) 3411-1200 / (61) 3411-1201

E-mails:
* Comando da Marinha: assistcm@marinha.mil.br
* Gabinete da Presidência da República: gabinetepessoal@presidencia.gov.br

Petição on-line:
* Link: http://redeprouc.org.br/campanhas/eahoradomar/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Blindagem coletiva

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'