Seculo

 

As razões do padre


12/03/2018 às 18:00
De um minúsculo município de 15 mil habitantes encrustado na microrregião noroeste do Espírito Santo, Boa Esperança, nasce um exemplo de organização política em defesa de interesses coletivos que se sobrepõe ao individualismo característico de grande parte da classe política brasileira. 
O processo judicial movido pelo senador Magno Malta (PR) contra o padre Romário Hastenreitter, que o chamou de traidor perante os fiéis, em sua maioria produtores de agricultura familiar, ganha uma dimensão maior,  pois serve para demonstrar diferenciais de comportamento de indivíduos diretamente ligados ao meio social e que deveriam zelar por ele. 
De um lado, um religioso à frente de uma comunidade formada por proprietários de pequenas lavouras, trabalhadores, donas de casa, reduzido número de profissionais liberais, professores e, de outro, um senador da República, eleito para representar esse povo, dentro do regime da democracia representativa em que o País vive e que votou a favor da famigerada reforma trabalhista, em 2017.
A polêmica em torno do comportamento de ambos reside em mensurar qual dos dois incorreu em erro. O padre, que em momento de ira deve ter usado palavras mais duras do que o habitual, mas nem por isso inverídicas, ou o político, desprovido da autoridade da qual foi investido pelo voto popular a partir do momento em que abdicou do direito de defender a população. 
A gritaria contra a reforma Trabalhista foi geral e inclui especialistas de renome, que afirmam que a nova legislação contraria diversos artigos estabelecidos na Constituição, a exemplo do chamado princípio da norma mais favorável ao trabalhador. 
A lei da reforma, de número 13.467, diz que os acordos coletivos de trabalho sempre preferem as convenções coletivas de trabalho. A convenção coletiva de trabalho é celebrada entre sindicato patronal e de trabalhadores, já o acordo coletivo é celebrado entre sindicato de trabalhadores e empresa.
O que a lei passa a dizer é que o que está no acordo coletivo, celebrado diretamente com a empresa, prevalece sobre o que celebrado na convenção, mesmo que seja pior, quebrando o princípio constitucional da norma mais favorável, como dizem alguns juízes do trabalho. 
Embora possa não ser  aceitável do ponto de vista legal, a braveza do padre é plenamente justificável se o foco for direcionado para a classe trabalhadora, especialmente no meio rural, cujos direitos foram abalados com a reforma, em um processo em que os autores ignoraram pareceres técnicos abalizados, a fim de favorecer interesses corporativos.
Nesse contexto, as razões do padre são infinitamente maiores do que um senador cuja folha de serviços prestados à nação é praticamente nula.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações