Seculo

 

Ibama afirma que vazamento da Anglo American que chegou ao Rio Doce 'não é mensurável'


13/03/2018 às 19:45
Mais de 24 horas depois do rompimento do mineroduto da Anglo American no município de Santo Antônio do Grama/MG, identificado pela empresa às 7h42 dessa segunda-feira (12), o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) enviou equipes do Núcleo de Emergências Ambientais para uma vistoria.

Na operação, realizada nesta terça-feira (13), foi feito sobrevoo na região afetada e uma estimativa inicial do vazamento de “pelo menos 250 metros cúbicos do produto”, como informa a Assessoria de Comunicação, em Brasília.

A nota à imprensa afirma que “o material denso ficou depositado no ribeirão Santo Antônio do Grama, onde a empresa instalou barreiras mecânicas” e que “o material em suspensão chegou diluído ao Rio Casca”, este, afluente direto do Rio Doce.

Sobre os impactos no Rio Doce, a Ascom/Ibama afirmou que “o material que chegou ao Rio Doce “não é mensurável”, por ser “muito diluído” e em “quantidade irrisória”.

Na nota oficial, o Ibama informa que “não foi verificada morte de animais até o momento” e que “a empresa instalou no local Posto de Comando para operacionalizar as ações e divulgar informações”.

Seguindo o protocolo de praxe entre os órgãos ambientais estaduais e federais do país, caberá à empresa criminosa, no caso a Anglo American, a contratação direta da empresa que fará análises sobre os impactos do seu próprio crime.

As equipes em campo do Ibama notificaram a Anglo American, segundo o comunicado, para “apresentar, entre outras informações, as causas do vazamento, a composição do produto, a extensão do dano, as medidas para garantir o abastecimento de água nas comunidades afetadas, o plano de retirada do minério do riacho e relatório diário com informações sobre a evolução das ações e os resultados obtidos para contenção do minério”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura