Seculo

 

Meliponicultores alertam para plantas tóxicas às abelhas


18/03/2018 às 08:12
“Salvem nossas abelhinhas!”. A súplica, da meliponicultora Luana Pimentel, resume o alerta e apelo feito pela Associação dos Meliponicultores do Espírito Santo (Ame-ES), com relação a árvores exóticas que estão dizimando as abelhas nativas, os beija-flores e outros importantes polinizadores.

A espatódia e o neem são os principais alvos da preocupação no momento, devido seu alto poder mortífero e sua expansão acentuada nas cidades capixabas. A espatódia, explica João Luiz Santos, presidente da Associação, mata os animais imediatamente, já dentro da sua bela flor alaranjada.

Cada vez mais plantada nas beiras de estrada, devido à beleza de sua florada, ela tem se espalhado com facilidade, trazendo consequências graves para a polinização da floresta e das lavouras. Em São Paulo, informa João, já tramita uma lei para proibir o plantio da espatódia, fruto da mobilização dos apicultores e meliponicultores. 

Já o neem, ainda não se sabe exatamente como se dá o extermínio das abelhas. O que se observa, explica o presidente da Ame-ES, é que, onde há floradas de neem, as abelhas desaparecem, morrem dentro dos ninhos, o que leva a crer que o pólen ou néctar, ao ser levado para alimentação das larvas, impede seu crescimento, exterminando as colmeias.

O problema se intensifica após as chuvas, mas ainda não há estudos científicos conclusivos sobre como esse processo acontece exatamente.  “A gente se baseia em testemunhas dos produtores, na experiência e vivência, no empírico do pessoal”, diz João Luiz.

A resistência em tocar no assunto é grande, lamenta, por puro desconhecimento, pois as pessoas têm plantado o neem com o objetivo de repelir mosquito, o que é um engano. “É uma ilusão terrível! O que mata o mosquito é o repelente, o líquido feito a partir do extrato do neem, e não a presença da planta em si perto de casa”, esclarece.

O mesmo erro acontece com a cintronela, conta o biólogo da Ame-ES, Paulo Henrique Dettmann Barros. “O mosquito não se alimenta da planta. Já as abelhas pegam partes da planta, o néctar e o pólen, e se alimenta dele”, explica. Por isso, morrem no contato com a cintronela e o neem. Já o mosquito não.

Até o momento, o que se identificou, explica Paulo Henrique, é que o princípio ativo do neem, o Azadiractina, impede a larva de ficar adulta. É provável que na Índia, país de origem da árvore, as abelhas tenham proteção para o Azadiractina, “mas as nossas abelhas não têm proteção”, afirma.

“Se não tiver controle por parte da prefeitura, vai virar praga, vai levar a um desequilíbrio ambiental”, alerta Luana, referindo-se ao plantio de neem, feito pela Prefeitura de Aracruz, nas ruas da cidade, e à disponibilização de mudas da planta no viveiro municipal. “Qualquer um pode pegar essas mudas e plantar onde quiser. Isso é ruim pra quem quer preservar o meio ambiente”, destaca.

A solução, recomenda a meliponicultora, é distribuir mudas de árvores nativas, como ipês, bem como plantá-las nas vias públicas, substituindo as atuais espatódias e neens. “Tem que ter um controle”, cobra.

“O que vai acabar com o mosquito e as doenças é não deixar água parada”, lembra. “As pessoas não sabem como as árvores exóticas podem fazer mal pro nosso ecossistema. Quem não tem manejo com abelhas nem percebe”, alerta.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso