Seculo

 

Vítima e algozes


24/03/2018 às 11:27
A mesma avenida que está no alvo da polêmica com a implantação de corredor exclusivo para ônibus, vãs e táxis, a Dante Michelini, em Vitória, também é motivo de outro impasse, mas esse existente há anos. Neste caso, luta-se para alterar seu nome, que é associado a um crime que prescreveu sem solução e que, há 45 anos, choca o Espírito Santo, o da menina Araceli Cabreira Crespo.

Drogada, estuprada, assassinada e tendo o corpo incinerado e jogado num matagal no ano de 1973, a criança, de apenas oito anos, teria permanecido em cárcere privado num bar chamado Franciscano na própria avenida, em Camburi, onde também foi morta. O sobrenome de dois dos três algozes apontados na investigação? Justamente Michelini. 
 
O promotor do caso à época, Wolmar Bermudes, foi enfático e apresentou à Justiça capixaba três principais suspeitos: Dante de Barros Michelini (o Dantinho), Dante de Brito Michelini (pai de Dantinho) e Paulo Constanteen Helal – todos membros de tradicionais e influentes famílias do Estado. Dantinho e Paulo Helal teriam raptado a menina e levado para o bar de Dante Pai, em Camburi, onde ela foi abusada, drogada e assassinada. 
 
Diante de diversos artifícios jurídicos e uso de influência das famílias Helal e Michelini, os acusados, condenados em primeira instância, foram absolvidos pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJES). Passado o tempo, o crime prescreveu. Mas as inúmeras contradições, até hoje, pertubam a memória dos capixabas.
 
No ano passado, depois de denominar o viaduto construído ao final da avenida de Araceli Cabreira Crespo, a prefeitura inaugurou, em evento político, um memorial em homenagem à criança. Ou seja, duas referências a ela na mesma avenida cujo nome homenageia a família dos acusados. Lado a lado, vítima e algozes. 
 
Mais recentemente, o vereador Roberto Martins (PTB) apresentou um projeto para realizar uma consulta pública aos moradores (plebiscito), que decidiriam sobre a mudança de nome da avenida. Mas o mesmo prefeito que explorou a causa antes, Luciano Rezende (PPS), vetou a iniciativa. Com a maioria na Câmara em suas mãos, o veto foi mantido, no último dia 20. Único vereador de oposição, a estratégia foi para negar a ele o protagonismo no debate.

Interessante é que a própria Câmara chegou a abrir uma consulta popular nas redes sociais, em 2017, com o mesmo objetivo. O resultado mostrou o que a população deseja: 93,7% votou pela mudança do nome para Araceli Cabreira Crespo. Mas parou por aí, sem explicações.

O apelo popular pela mudança de nome da avenida já havia sido manifestado em outras ocaisões. Em 2013, por exemplo, um grande clamor social reivindicou que a prefeitura mudasse o nome da Avenida Dante Michelini para Araceli, como uma forma de reparar minimamente tamanha atrocidade contra a criança. Os manifestantes colaram adesivos com o nome dela em cima das placas de identificação da via. De nada adiantou. 
 
O dia do desaparecimento de Araceli passou a marcar uma luta urgente e necessária. O 18 de maio foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a partir de 2000. A mudança de nome deveria ser mais uma importante etapa desta causa. Mas, pelo contrário, trafegar pela avenida ainda é como perpetuar a marca da impunidade.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança