Seculo

 

Entidade denuncia prefeito de Vitória por não cumprir decisão judicial


25/03/2018 às 18:06

O presidente do Movimento de Valorização da Acessibilidade (Mova), José Olympio Rangel Barreto, registrou, no Ministério Público Estadual (MPES), uma reclamação por desobediência judicial e improbidade administrativa contra o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), devido à sua “inércia em atender a uma decisão judicial” que determina o aumento da frota do programa Porta a Porta, destinado a pessoas com deficiência.

“Porta a Porta não é serviço especial, é transporte público!”, enfatiza José Olympio. Além da responsabilização administrativa (improbidade), a manifestação no MPES também solicita que o órgão ministerial “providencie a responsabilidade penal” do gestor municipal pelo “descumprimento da Lei Federal nº 13.146/2015”, a Lei Brasileira da Acessibilidade.

Atualmente, informa o presidente do Mova, há 377 pessoas na fila de espera do Porta a Porta, que conta com apenas quatro a cinco veículos, quando a necessidade é de no mínimo 18.

O aumento da frota foi pedido inicialmente em 2006, por uma ação civil pública do MPES, quando a frota era de dez veículos. A primeira decisão favorável às pessoas com deficiência aconteceu no ano seguinte e, em 2010, a Prefeitura recorreu.

Em 2011, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) estabeleceu um Acórdão, reformulando a sentença e determinando que, em seis meses, deveria haver a ampliação da frota. O Acórdão, porém, não foi executado, e o processo foi arquivado.

O MPES retomou o processo em 2015 e o juiz responsável pela execução convocou uma audiência de conciliação, emitindo uma sentença saneadora que determinou a execução do Acórdão.

Uma nova determinação judicial, exigindo o cumprimento da sentença em 48 horas, ocorreu em agosto de 2017, com notificação pessoal do prefeito. Todavia, relata José Olympio, “fazem sete meses que a referida decisão também não foi cumprida”.

A manifestação no MPES registra ainda que, “de acordo com a Lei Federal nº 13.146/15, trata-se de crime contra a pessoa com deficiência a permanência em não atender seus direitos básicos, qual seja o direito de ir e vir através do programa ‘Porta a Porta’”.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

'Esquenta'

Largada embolada

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Projeto que obriga barreiras de proteção na Terceira Ponte tem parecer favorável na Ales

Mistério Público investiga Secretaria de Saúde de Cariacica por irregularidades em prestações de contas