Seculo

 

Onde anda Hartung?


29/03/2018 às 17:32
Por que o governador não veio? Essa era a pergunta que rolava nesta quinta-feira (29) entre os presentes à inauguração do novo aeroporto de Vitória frente à ausência do governador Paulo Hartung (MDB), somente explicada pelos precisos movimentos da senadora Rose de Freitas (MDB), que roubou a cena e o palanque.
Ela conseguiu desarmar o projeto de Hartung, de vir de Brasília e Vitória no avião presidencial e desembarcar na nova pista como o grande realizador da obra. Trocado em miúdos, como diz o ditado popular, o plano gorou porque o cenário não era nada promissor, tanto para Hartung como para Temer. 
Isso porque o mar não está para peixe para o presidente, com uma penca de auxiliares diretos denunciados ou presos, inclusive seu assessor particular, coronel Lima, e também para Hartung, cuja insatisfação avança entre os servidores públicos e os jovens, que ensaiaram um protesto durante a festa, sendo contidos por forte aparato policial. 
A movimentação de Rose deixa claro que ela está disposta a enfrentar  Hartung nas eleições deste ano, possuindo armas apropriadas para contrapor as ações decorrentes do controle da máquina pública em nível regional, nas mãos do governador.
Com elevado prestígio em Brasília, Rose recebe o apoio de prefeitos, que há anos são favorecidos com a liberação de recursos para seus municípios, prática que Hartung intensificou neste ano, depois de três anos com os cofres lacrados, a fim de poupar para poder gastar no período eleitoral, em forma de investimentos que possam gerar capital.  
A ausência de Hartung contrastava com a intensa movimentação de Rose, portando-se como organizadora da festa e total desenvoltura, erguendo um palanque com duas faces.
De um lado mostra que ela possui mecanismos poderosos no centro de poder nacional, mas de outro, dentro do cenário político atual, demonstra que pode ser como um tiro pela culatra, considerando o viés de queda do presidente da República.
No entanto, não há como negar que Hartung tentou chegar na frente e inclusive foi a Brasília ser o protagonista da inauguração. A tentativa não deu certo, o que mostra que seu jogo, hoje, não é tão poderoso como há alguns anos. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança