Seculo

 

O decálogo neoliberal


02/04/2018 às 16:51
Tarso Genro, um dos mais argutos pensadores da esquerda brasileira, acaba de publicar no site do Sul21 um decálogo em que resume a pregação dos adeptos do Estado mínimo, aqueles que abominam a intervenção governamental na economia e em outros setores como a educação e a saúde.
 
É uma síntese que serve como advertência quanto ao processo de manipulação política vivido pelo Brasil desde a eleição de Dilma Rousseff em fins de 2014.  
 
Segundo Genro, que foi prefeito de Porto Alegre, governador do Rio Grande do Sul e ministro da Educação e da Justiça no governo Lula, mas não tem influência na atual direção do PT, a orquestração neoliberal se faz nos seguintes termos:   
 
Primeiro, diz que o Estado está "quebrado".
 
Segundo, diz que o "custo" dos serviços públicos é o culpado da situação.
 
Terceiro, afirma que "o Estado é corrupto", os grandes empresários é que são honestos e que a sonegação é "legítima defesa".
 
Quarto, alardeia que o Estado "é pesado" e que as empresas públicas e outras instituições do Estado – eficientes ou não – devem ser privatizadas, para que eles, os grandes empresários -- além dos subsídios estatais com os quais fizeram as suas fortunas -- também abocanhem mais esta fatia da renda pública.
 
Quinto, informa, pela mídia tradicional "companheira", que os principais entraves econômicos do país estão na "legislação trabalhista arcaica" e nos "excessivos" direitos de que dispõem os trabalhadores.
 
Sexto, culpa o comunismo, a social-democracia ou as políticas sociais "paternalistas" pelo "excesso" dos gastos públicos.
 
Sétimo, outorga à esquerda e ao campo reformista progressista o "monopólio da corrupção".
 
Oitavo, torna a recessão uma necessidade "técnica", pois, quando a economia chegar ao fundo do poço – depois de mais fome, miséria, crimes, crianças nas esquinas, doentes ao relento –, haverá uma pequena reação no crescimento, que será apresentada como início da "recuperação".
 
Nono, integra a mídia tradicional no seu projeto, para explicar que "todos podem ser patrões de si mesmos" e que as coisas já "estão melhorando".
 
E décimo, esconde o fato que de que  eles, os neoliberais, têm uma aliança carnal com a corrupção, porque sem essa aliança não derrubariam um Governo legítimo, nem formariam a base, no Congresso, para fazer as suas reformas predatórias.
 
Pode haver um ou outro exagero retórico aqui ou ali, mas tudo é verdade nesse roteiro didático.
 
Mais do que uma descrição, o decálogo de Genro é uma denúncia do método de trabalho que, infelizmente, vem conquistando espaço no Brasil e conta com o apoio da classe média e até com a resignação das massas trabalhadoras do funcionalismo público e da iniciativa privada, forças que parecem dispostas a aceitar passivamente que as classes não possuidoras devem sujeitar-se às humilhações impostas pelos capitalistas, inclusive a de não reclamar direitos sociais ou trabalhistas vistos em todo o mundo civilizado como conquistas inalienáveis dos que, sem patrimônio rentável, precisam viver da prestação de serviços. No caso brasileiro, sem garantias. 
 
Em algum momento futuro, virá a inevitável reação dialética da História que pode vir logo, já que eleições se prestam a isso. 
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
 
'Quem quiser governar o Brasil precisa botar o pobre no Orçamento. Se o pobre tiver crédito, a economia vai funcionar de uma maneira saudável".
 
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso