Seculo

 

Morador denuncia sobrevoo com agrotóxicos sobre eucaliptais em Braço do Rio


02/04/2018 às 17:39
Quinze dias de sobrevoos com agrotóxicos sobre a região de Braço do Rio, em Conceição da Barra (norte do Estado). Mais uma vez. É assim há anos. E “ninguém faz nada”.

A história acima é contada com indignação pelo marceneiro Weks Luiz, morador local, e ilustrada com farto registro fotográfico em suas redes sociais.

Em entrevista, mantém o tom de revolta, disparando contra o poder público municipal. “A prefeitura é conivente!”, dispara, referindo-se especialmente ao falecido ex-prefeito, João Donatti, ex-proprietário da Donati Agrícola, e ao atual secretário de Meio Ambiente, André Luiz Tebaldi.

O gestor ambiental do município chegou a se manifestar na publicação de Werks, solicitando localização da pista de pouso e decolagem para a equipe de fiscalização possa averiguar o crime e contactar os órgãos responsáveis, citando Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Polícia Ambiental e Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf).

“Nas fotos têm o carro da fiscalização da prefeitura, com um zoom dá quase pra ver o emblema da prefeitura. Como é que o carro ' tá' lá e o secretário não sabe onde fica?”, questiona. 

Na postagem, o marceneiro diz ainda que, no rastro deixado pela aeronave amarela, pássaros mortos. Em entrevista, menciona comentários de pessoas relatando mortes de peixes e galinhas nas áreas urbanas onde o veneno também é derramado, mesmo não sendo o alvo.

O produto Dipel, cujas embalagens vazias são flagradas amontoadas próximo à pista, é sabidamente utilizado para combater pragas em eucaliptais. “Contamina tudo, as pessoas, os animais, o solo, a água...”, reclama.

Sem fiscalização

Oficialmente, o Idaf e o Mapa são os responsáveis pela fiscalização da atividade no Estado. Porém, na prática, ninguém fiscaliza. Essa é a percepção dos moradores dos municípios do norte e noroeste capixaba, ondem as pulverizações aéreas são mais comuns, devido aos plantios de eucalipto e cana-de-açúcar em larga escala.

E foi o entendimento também do deputado estadual Padre Honório (PT). “Oficiamos o Idaf sobre a fiscalização e a resposta foi que essa fiscalização seria do Mapa. Já o Ministério disse que era do Idaf; as duas respostas foram por escrito. A Secretaria de Meio Ambiente nem respondeu. Nossa conclusão é que ninguém está fiscalizando e a aplicação está ocorrendo livremente”, lamentou o deputado, denunciando a gravidade ainda maior da pulverização sobre propriedades pequenas. “Em uma propriedade de seis hectares, não há condições de garantir que o avião vá desviar das casas, da água, das escolas”, pontuou.

A legislação atual sobre a atividade se restringe basicamente à Instrução Normativa nº 02/2008, do Mapa, pois uma IN estadual que existia foi revogada pelo Idaf em 2014. Na federal, é determinado, por exemplo, que as aplicações aeroagrícolas fiquem restritas “à área a ser tratada”, observando algumas regras, entre elas, a distância mínima de “500 metros de povoações, cidades, vilas, bairros e mananciais de captação de água para abastecimento da população” e de “250m de de mananciais de água, moradias isoladas e agrupamentos de animais”. Além disso, “as aeronaves agrícolas, que contenham produtos químicos, ficam proibidas de sobrevoar áreas povoadas, moradias e agrupamentos humanos”.

As denúncias de agrotóxicos despejados sobre as cabeças de moradores de vilas rurais e comunidades quilombolas na região são constante e muitas já foram denunciadas por este Século Diário. A última, em outubro de 2017, também em Conceição da Barra.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Agenda Cultural: festa do Caboclo Bernardo em Linhares