Seculo

 

Morador denuncia sobrevoo com agrotóxicos sobre eucaliptais em Braço do Rio


02/04/2018 às 17:39
Quinze dias de sobrevoos com agrotóxicos sobre a região de Braço do Rio, em Conceição da Barra (norte do Estado). Mais uma vez. É assim há anos. E “ninguém faz nada”.

A história acima é contada com indignação pelo marceneiro Weks Luiz, morador local, e ilustrada com farto registro fotográfico em suas redes sociais.

Em entrevista, mantém o tom de revolta, disparando contra o poder público municipal. “A prefeitura é conivente!”, dispara, referindo-se especialmente ao falecido ex-prefeito, João Donatti, ex-proprietário da Donati Agrícola, e ao atual secretário de Meio Ambiente, André Luiz Tebaldi.

O gestor ambiental do município chegou a se manifestar na publicação de Werks, solicitando localização da pista de pouso e decolagem para a equipe de fiscalização possa averiguar o crime e contactar os órgãos responsáveis, citando Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Polícia Ambiental e Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf).

“Nas fotos têm o carro da fiscalização da prefeitura, com um zoom dá quase pra ver o emblema da prefeitura. Como é que o carro ' tá' lá e o secretário não sabe onde fica?”, questiona. 

Na postagem, o marceneiro diz ainda que, no rastro deixado pela aeronave amarela, pássaros mortos. Em entrevista, menciona comentários de pessoas relatando mortes de peixes e galinhas nas áreas urbanas onde o veneno também é derramado, mesmo não sendo o alvo.

O produto Dipel, cujas embalagens vazias são flagradas amontoadas próximo à pista, é sabidamente utilizado para combater pragas em eucaliptais. “Contamina tudo, as pessoas, os animais, o solo, a água...”, reclama.

Sem fiscalização

Oficialmente, o Idaf e o Mapa são os responsáveis pela fiscalização da atividade no Estado. Porém, na prática, ninguém fiscaliza. Essa é a percepção dos moradores dos municípios do norte e noroeste capixaba, ondem as pulverizações aéreas são mais comuns, devido aos plantios de eucalipto e cana-de-açúcar em larga escala.

E foi o entendimento também do deputado estadual Padre Honório (PT). “Oficiamos o Idaf sobre a fiscalização e a resposta foi que essa fiscalização seria do Mapa. Já o Ministério disse que era do Idaf; as duas respostas foram por escrito. A Secretaria de Meio Ambiente nem respondeu. Nossa conclusão é que ninguém está fiscalizando e a aplicação está ocorrendo livremente”, lamentou o deputado, denunciando a gravidade ainda maior da pulverização sobre propriedades pequenas. “Em uma propriedade de seis hectares, não há condições de garantir que o avião vá desviar das casas, da água, das escolas”, pontuou.

A legislação atual sobre a atividade se restringe basicamente à Instrução Normativa nº 02/2008, do Mapa, pois uma IN estadual que existia foi revogada pelo Idaf em 2014. Na federal, é determinado, por exemplo, que as aplicações aeroagrícolas fiquem restritas “à área a ser tratada”, observando algumas regras, entre elas, a distância mínima de “500 metros de povoações, cidades, vilas, bairros e mananciais de captação de água para abastecimento da população” e de “250m de de mananciais de água, moradias isoladas e agrupamentos de animais”. Além disso, “as aeronaves agrícolas, que contenham produtos químicos, ficam proibidas de sobrevoar áreas povoadas, moradias e agrupamentos humanos”.

As denúncias de agrotóxicos despejados sobre as cabeças de moradores de vilas rurais e comunidades quilombolas na região são constante e muitas já foram denunciadas por este Século Diário. A última, em outubro de 2017, também em Conceição da Barra.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Homicídios de jovens negros aumentaram mais de cinco vezes em 20 anos no Estado

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba