Seculo

 

'18% de muitas mãos'


05/04/2018 às 20:32
A sessão ordinária da Assembleia Legislativa da manhã dessa quarta-feira (4) foi surpreendente por vários motivos. Foi só por meio dela que a sociedade capixaba teve notícia de que os salários da alta cúpula do Executivo – governador, vice e secretariado – alcançarão um reajuste de 18% em 2019, sendo 5% de imediato e outros 13% na virada do ano. Mas essa informação não apareceu durante as discussões realizadas pelos deputados sobre uma emenda que surgiu momentos antes da votação do Projeto de Lei 085/2018, anunciado discretamente nessa terça-feira (3,) tratando da matéria. 
 
Até então, os desavisados, leia-se a população capixaba, achavam que o que estava sendo decidido era aprovar o percentual de 5% proposto originalmente no PL 085/2018 para os cargos de governador, vice e secretariado. O mesmo índice, por sinal, anunciado pelo governo do Estado para o funcionalismo estadual do Executivo, com certo estardalhaço, em entrevista coletiva na segunda (2). 
 
A tônica do debate entre os parlamentares esteve em torno da necessidade de incluir os cargos de vice-governador e do secretariado no reajuste, uma vez que o teto, segundo a Constituição Estadual, é definido apenas pelo salário do governador, sem reajuste desde 2014. Desta forma, os deputados Da Vitória (PPS) e Majeski (PSB) argumentaram que categorias que estão engessadas pelo teto já estariam contempladas. 
 
Afinal, depois de tanto propagar um discurso de crise, por que incluir o secretariado num reajuste de 18%, contrastando drasticamente com o aumento dado para a massa dos servidores do Executivo, de apenas 5%, cujos salários não chegam a R$ 3 mil por mês, e há quatro anos sem receber o mínimo de reajuste previsto por lei? Para a deputada Janete de Sá (PMN), endossada por Enivaldo dos Anjos (PSD), o secretariado também constitui teto para categorias, só não soubera citar quais. No final, nenhum dos dois convenceu. Não mesmo. 
 
Mas a surpresa maior só veio depois da votação, que teve apenas dois votos contrários  - Majeski e Bruno Lamas (PSB). O percentual acumulado de 18% até 2019 só ficou claro com a divulgação do texto da emenda, assinado pela Mesa Diretora e relatada por Janete. O documento elencou os novos salários que entram em vigor na virada do ano: governador R$ 23 mil, vice-governador R$ 20,8 mil e secretariado R$ 18,3 mil. Comparando com os atuais R$ 19,4 mil, R$ 17,6 mil e R$ 15,4, respectivamente, chegou-se ao valor de 18%. Foi preciso gastar um tempo nos cálculos, pois o percentual não estava explícito no texto da emenda.
 
Há notícias ainda que, nos bastidores da Casa, haviam dois textos de emendas circulando. Enquanto a Diretoria de Redação já estava elaborando o projeto de lei para ser enviado para sanção do governador Paulo Hartung com cifras de R$ 22 mil (governador), R$ 20 mil (vice) e R$ 17,5 mil (secretariado), chegava a informação de divergência: os valores corretos seriam os corrigidos pelo percentual de 18%, o que foi divulgado oficialmente pela Casa. 
 
A autoria do projeto de lei também ficou obscura. Inicialmente, circulava que a autoria teria sido da deputada Janete de Sá, fato citado até pelo deputado Majeski na Tribuna da Casa durante a discussão da emenda. Mas o que foi, veementemente, negado pela deputada, que se intitulou "apenas relatora". 
 
Durante a sessão, porém, Janete chegou a dizer: “Nós fizemos uma emenda por se tratar de uma matéria que tem que ser decidida pela Assembleia Legislativa e pela Mesa Diretora. Foi construída a várias mãos uma emenda substutiva, onde (sic) fixamos os subsídios do governador, independente de quem seja, vice e secretários para 2019. Poderia ser no final do ano, depois das eleições, mas decidimos fazer agora. Visa contemplar aos servidores qualificados prejudicados no final de suas tabelas salariais com o abate-teto”. Repetindo: "nós".
 
Majeski chegou a alertar que a decisão de incluir o vice e o secretariado causaria grande desgaste para a Casa. Dito e feito! 
 
Servidores estaduais já estão se mobilizando para uma série de protestos. O primeiro deles nesta quinta-feira (5), a Marcha da Saúde, que ganhou apoio também dos policiais civis e outros movimentos sociais. Além de reivindicar melhorias para os hospitais estaduais e lutar contra a terceirização das unidades, o ato vai denunciar o reajuste diferenciado para a cúpula estadual, o que tem gerado muita revolta, com toda razão.
 
O caldo promete engrossar! E logo em ano eleitoral...

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança