Seculo

 

'A Educação tem que descer do palanque'


07/04/2018 às 16:30
“A Educação sobe os palanques, mas nunca desce. É preciso traduzir em atitudes o que se fala nos palanques”. A fala, reproduzida por Aguinaldo Rocha, professor, diretor e avô de aluno da rede pública de Vitória, foi proferida por uma das mães de alunos da rede municipal de ensino – que não quis se identificar – que participou da reunião dessa sexta-feira (6) entre o Comando de Greve dos professores e a Secretaria Municipal de Educação.

A reunião aconteceu após uma passeata pelo bairro Itararé e não resultou em avanços, sendo mantida a greve, que começou no dia 26 de março. A próxima mesa de negociação está agendada para a próxima quinta-feira (12) pela manhã, com nova assembleia marcada para o mesmo dia, à tarde.

A categoria alega que tem tentado dialogar com a administração do prefeito Luciano Rezende (PPS) nos últimos quatro anos, sem qualquer êxito, sendo que a greve abriu a fase de negociações de forma mais transparente. O entendimento é oposto ao do município, que conseguiu uma liminar na Justiça declarando o movimento paredista ilegal, sob argumento de que a paralisação significa uma suspensão antecipada das negociações.

“Quem rompeu a negociação foi o prefeito, ao anunciar o reajuste de 3% na imprensa e mandar esse projeto de lei pra Câmara, sem antes conversar com a categoria”, explica Washington Felix Rocha, coordenador do Comando de Greve de Vitória, destacando ainda “outra inconstitucionalidade: os vereadores fizeram uma emenda, estendendo esse reajuste pra eles também, o que não pode”, relata.

Com o anúncio dos 3%, o prefeito tem dito que está pagando a reposição salarial devida, o que não é verdade, no entendimento do Comando de Greve. “A perda salarial do período é de 28,5%!”, contesta Washington, referindo-se aos quatro últimos anos de salários congelados. O fato virou, inclusive, um grito de luta do movimento paredista: “3% não cola! Greve na escola!”.

Além da reposição salarial, a pauta de reivindicações inclui o cumprimento do Plano de Cargos e Vencimentos; o pagamento do auxílio alimentação para quem tem duas cadeiras na rede municipal; a qualificação das compras públicas, para a obtenção de materiais escolares de melhor qualidade; e a reforma e manutenção dos prédios públicos.

Segundo o Comando de Greve, mais de 70% das unidades de ensino já aderiram de alguma forma ao movimento paredista, algumas em 100%, outras em 50% ou 30%.

O Comando mantém uma página no Facebook com informações, fotos e vídeos. E um link com pedidos de apoio ao movimento, como um abaixo-assinado, ligações ao Fala Vitória (156) e sugestões de rodas de conversa nas escolas, envolvendo mães, pais, responsáveis, comunidade e profissionais de educação.

As próximas atividades previstas incluem uma concentração na Praça de Santo Antonio e Ato Público, na próxima terça-feira (10), e, na quinta (12), a Mesa de Negociação e assembleia.

 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Prefeitura da Serra
‘Liberou geral’

Foi só o prefeito Audifax Barcelos ver ameaçada sua costura com o empresariado, que logo apareceu para ‘colocar a mão’ na Câmara da Serra

OPINIÃO
Editorial
Sem mérito
Governo Hartung explora gestão florestal para tentar esconder atuação pífia e direcionada na área
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Odessey and Oracle
''uma pérola do psicodelismo e do pop barroco britânico''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
Geraldo Hasse
Tchernóbil 32 anos
Por causa do acidente nuclear de 1986, a longevidade da Bielorrússia caiu abaixo de 60 anos
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Advogado se defende da acusação de injúria em ação aberta pelo prefeito de Vitória

'O PT não se preparou para a disputa majoritária no Estado'

Encontro Regional de Agroecologia será realizado neste fim de semana no Estado

Secretária de Educação de Vitória cancela prestação de contas na Câmara