Seculo

 

Lelo Coimbra insiste em minimizar impacto das 'baixas' registradas no MDB


09/04/2018 às 17:58
A saída de quadros importantes para outros partidos deixa o MDB no Espírito Santo em uma situação difícil, que a aparente tranquilidade do presidente, deputado federal Lelo Coimbra, não consegue camuflar.  A legenda foi a que mais perdeu filiados com mandatos na janela partidária encerrada nesse sábado (7).
 
O partido do governador Paulo Hartung perdeu nada menos do que uma senadora (Rose de Freitas) e quatro deputados estaduais, entre eles, o presidente e o vice da Assembleia Legislativa, Erick Musso (PRB) e Marcelo Santos (PDT), os deputados Esmael de Almeida (PSD) e Gildevan Fernandes (PTB), além do ex-vereador de Vitória Zezito Maio (Podemos).
 
Lelo afirma que o partido sai fortalecido, mas a avaliação é que esse posicionamento coloca o MDB em segundo plano, unicamente para servir a estratégias políticas individuais, arquitetadas no Palácio Anchieta, como já aconteceu em outras ocasiões.  
 
Perder quadros em ano eleitoral que são potenciais candidatos à reeleição, da forma como ocorreu com o partido do governador, gera um esvaziamento da sigla e, consequentemente, repercussão negativa no dividendo eleitoral deste ano.
 
Esse é um fato que não pode ser encarado dentro da normalidade, considerando o contexto armado com essa movimentação, visando inflar outras siglas, como o PRB, novo endereço do presidente da Assembleia e onde se encontra o deputado Amaro Neto, candidato ao Senado com o apoio do governador. 
 
As declarações de Lelo Coimbra não convencem o mercado político já que, sem quadros partidários de peso, o MDB desce no ranking e cede o lugar a outras agremiações nas quais são estabelecidos pontos de suas estratégias, sem levar em conta a sobrevivência  do partido. 
 
Toda estrutura partidária tem em seus quadros sua sustentação principal, considerando que, por se tratar de um coletivo, deve ter na pluralidade a sua marca. No entanto, o que ocorre no MDB local é uma demonstração de que o direcionamento partidário segue uma única linha, voltada para os projetos individuais. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Juíza proíbe ex-diretor de Controle Interno de se aproximar da Câmara da Serra

Defensores públicos definem oito medidas para valorização da categoria

MP de Contas requer anulação de concorrência da Secretaria de Estado da Comunicação

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança