Seculo

 

Augusto Frederico Schmidt: considerações finais


10/04/2018 às 14:05
Finalizando a nossa análise do poeta Augusto Frederico Schmidt, podemos reiterar a sua grandeza dentre os poetas brasileiros, conhecido sempre como o autor de “Canto da Noite”, um poeta lírico por excelência, em meio ao fervilhar do Modernismo, movimento este de caráter mais iconoclasta e renovador do que propriamente lírico, num primeiro momento.
Podemos dizer que Schmidt traçava uma linha paralela que só seria reencontrada, mais tarde, com poetas como Vinícius de Moraes e Cecília Meireles, já em chaves líricas mais avançadas do que uma herança direta do romantismo e do simbolismo, caráter poético este que ainda pulsava na escrita poética de Augusto Frederico Schmidt. Por fim, Schmidt é um dos poetas ideais, destes da chamada “Poesia imperecível”, a qual Novalis dizia ser o “autêntico real absoluto”.
 
Biograficamente, o homem de negócios que foi Schmidt não eclipsou em nada o seu caráter de artista, e nem a sua verve lírica de poeta herdeiro da tradição romântica e simbolista, ou ainda sua própria produção poética e literária como um todo.
 
A poesia de Schmidt, mesmo sendo levantado aqui no texto que tem forte influência de uma tradição romântica e simbolista, nunca deixou de também estudar formas e conteúdos modernos, e seu lirismo, por outro lado, também era reflexo forte de nossa velha poesia de Portugal, que sempre foi influência para muitos dos poetas no Brasil, e por muito tempo.
 
Por fim, um aspecto que liga muito a poesia de Schmidt a uma imagem consolidada de poesia tradicional, pode ser o fato de que ele era um poeta também adepto de um grande transbordamento verbal.
 
POEMAS
 
AURORA LÍVIDA (1958)
 
POEMA DE NATAL : O poema levanta a imagem do poeta Ungaretti, e nos lembra da tragédia pessoal deste poeta que perdera um filho que morreu criança, no que temos : “A IDEIA de escrever um/poema de Natal/Traz-me à lembrança o poeta Ungaretti,/Na sua casa em Roma,” (...) “Ungaretti é um pássaro revoando,/Volteando, girando e, de súbito,/molhando/As largas asas duras nas águas/Onde pousa e, às vezes, se move/A imagem do seu filho perdido.”. Logo Schmidt evoca liricamente o poeta italiano e de como esta dor tão central definiu grande parte da poesia de Ungaretti, no que segue :  “Ungaretti possui um tesouro,/E este dia de Natal reabre-lhe/Não só a ferida, mas também/a vontade de viver/Para que viva nele e com ele o seu fruto.” (...) “Possui a sua própria dor a queimar-lhe/o peito e a acompanhá-lo./E enquanto sua lembrança esvoaça/Em torno do filho pequeno que partiu,/Poupa-lhe Deus miséria igual à minha :/Contemplar nesta hora festiva/A face morta da criança que eu fui.”. E Schmidt mal compara, por fim, sua imagem infantil desaparecida como algo melancólico, sem a chama de uma tragédia como a de Ungaretti.
 
BABILÔNIA (1959)
 
OUVE A TARDE CHEGAR ... : O poema nos evoca Jerusalém, a imagem de Babilônia, e um deserto logo se abre, no que temos : “OUVE a tarde chegar em Babilônia./O rio leva suas águas mansas/Até onde se ergueu Jerusalém/E hoje é o deserto, a ruína, a solidão.” (...) “Pensa em Jerusalém e no destino/O Profeta. O fumo da tarde que se vai/Hesita, e na sombra por fim repousa triste./_ Ó meu Deus de Israel! – exclama o Doido –/Corta-me logo as ligações com o tempo/E aquieta no Teu seio o meu tormento!”. A prece é por um Deus, esta conhecida entidade de Israel, que nos corta as ligações com o tempo, para que seja aplacado o tormento deste mundo aflito, prece de um doido, de um profeta.
 
ÀS VEZES, QUANDO SÓ ... : O poema segue com uma meditação ou reflexão sobre o Mal, no que temos : “Às vezes, quando só no quarto estreito/Do hotel, em Babilônia, meditava/Sobre as desditas deste feio mundo/E no Mal triunfante em toda parte;/Quando a aurora da atroz desesperança/Rasgava o véu consolador da noite,/A Rainha do Céu o visitava,/Em doçura e tristeza toda envolta.” (...) “Ó milagre de amor, estranho e forte,/Do próprio desespero vitorioso,/Que as feridas do mundo em flores muda!”. A presença materna de uma Rainha do Céu então salva o poeta da visão desolada que ele tinha, a visita desta divindade feminina aquieta o coração de Schmidt, e então ele descansa.
 
O CAMINHO DO FRIO (1964)
 
O CAMINHO DO FRIO : O poema evoca o frio, no que temos :“Foi um fruto que caiu da árvore,/Foi alguém que passou na estrada,/Foi um pássaro,/Foi a história de uma viagem que pousou em mim,” (...) “E senti que ressurgiste com tuas mãos pequenas/Com teus olhos que não tinham cor certa;” (...) “E me indicavas o início do caminho do frio dizendo :/“_ É lá, onde se alinham aquelas árvores/Magras e feias, que começa o caminho do frio.””. A presença misteriosa do poema indica, por fim, ao poeta este caminho do frio que dá título ao poema.
 
POEMAS
 
AURORA LÍVIDA (1958)
 
POEMA DE NATAL
 
A IDEIA de escrever um
 
poema de Natal
 
Traz-me à lembrança o poeta Ungaretti,
 
Na sua casa em Roma,
 
Via Remuria, 3.
 
 
Vejo-o impassível, o rosto difícil
 
De florir um sorriso,
 
Com os seus olhos que parecem
 
cansados
 
De contemplar o fundo do mar.
 
 
Ungaretti é um pássaro revoando,
 
Volteando, girando e, de súbito,
 
molhando
 
As largas asas duras nas águas
 
Onde pousa e, às vezes, se move
 
A imagem do seu filho perdido.
 
 
Ungaretti tem – e é seu consolo –
 
A certeza de que o filho
 
Não tocou no mal,
 
Que não chegou a perceber
 
Que os seres são sempre órfãos
 
E caminham sozinhos.
 

Ungaretti possui um tesouro,
 
E este dia de Natal reabre-lhe
 
Não só a ferida, mas também
 
a vontade de viver
 
Para que viva nele e com ele o seu fruto.
 
 
Penso com inveja em Ungaretti.
 
Invejo a tristeza do poeta.
 
Quem tem uma tristeza assim,
 
Não está de todo abandonado,
 
Não perdeu os últimos sinais
 
Que reconduzem à cidade da infância.
 
 
Neste dia de Natal, na sua casa em Roma,
 
Via Remuria, 3,
 
O poeta Ungaretti está menos só do que eu.
 
 
Possui a sua própria dor a queimar-lhe
 
o peito e a acompanhá-lo.
 
E enquanto sua lembrança esvoaça
 
Em torno do filho pequeno que partiu,
 
Poupa-lhe Deus miséria igual à minha :
 
Contemplar nesta hora festiva
 
A face morta da criança que eu fui.
 
 
BABILÔNIA (1959)
 
OUVE A TARDE CHEGAR ...
 
OUVE a tarde chegar em Babilônia.
 
O rio leva suas águas mansas
 
Até onde se ergueu Jerusalém
 
E hoje é o deserto, a ruína, a solidão.
 
 
Um pássaro volteia no ar, às tontas,
 
Retardatário, branco e inquieto. As asas
 
Tocam nas sombras ainda muito leves
 
Que anteciparam da noite a plenitude.
 
 
Pensa em Jerusalém e no destino
 
O Profeta. O fumo da tarde que se vai
 
Hesita, e na sombra por fim repousa triste.
 
 
_ Ó meu Deus de Israel! – exclama o Doido –
 
Corta-me logo as ligações com o tempo
 
E aquieta no Teu seio o meu tormento!
 
 
ÀS VEZES, QUANDO SÓ ...
 
Às vezes, quando só no quarto estreito
 
Do hotel, em Babilônia, meditava
 
Sobre as desditas deste feio mundo
 
E no Mal triunfante em toda parte;
 
 
Quando a aurora da atroz desesperança
 
Rasgava o véu consolador da noite,
 
A Rainha do Céu o visitava,
 
Em doçura e tristeza toda envolta.
 
 
Nos seus braços maternos o tomava
 
Como se infante fosse, e o embalava
 
E o fazia dormir um sono ameno.
 
 
Ó milagre de amor, estranho e forte,
 
Do próprio desespero vitorioso,
 
Que as feridas do mundo em flores muda!
 
 
O CAMINHO DO FRIO (1964)
 
O CAMINHO DO FRIO
 
Foi um fruto que caiu da árvore,
 
Foi alguém que passou na estrada,
 
Foi um pássaro,
 
Foi a história de uma viagem que pousou em mim,
 
Foi uma hora de ausência em que voltei a mim mesmo.
 
 
E senti que ressurgiste com tuas mãos pequenas
 
Com teus olhos que não tinham cor certa;
 
Estávamos assentados no alto muro de pedra.
 
No sítio em que as águas se dividem.
 
E me indicavas o início do caminho do frio dizendo :
 
“_ É lá, onde se alinham aquelas árvores
 
Magras e feias, que começa o caminho do frio.”
 
Gustavo Bastos, filósofo e escritor.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

'Esquenta'

Largada embolada

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Projeto que obriga barreiras de proteção na Terceira Ponte tem parecer favorável na Ales

Mistério Público investiga Secretaria de Saúde de Cariacica por irregularidades em prestações de contas